ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mãe tenta vender filho por R$ 400 e foge do hospital após parto

Brumado: Homem é preso após matar companheiro da ex-namorada com golpes de faca no bairro do Mercado

Planejamento das Eleições Gerais 2022 é debatido na sede do TRE-BA

Barra da Estiva: PM apreende seis carros com suspeita de serem clonados

CGU aponta R$ 2,6 bi em desvios do Farmácia Popular

Eleições no Clube Social de Brumado: Chapa 2 quer renovação e inclusão das mulheres na gestão

Estados dizem que cumpriram lei e vão recorrer no STF sobre ICMS no diesel

Em mais uma decisão, justiça suspende licitação que pretendia privatizar serviços de água e esgoto em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Neste domingo (15) haverá o fenômeno 'Lua de Sangue' triplamente especial

Sabadão! Tudo pronto para a festa 'Apaixona Brumado' no espaço Popeye Prime

STF suspende políticas estaduais sobre o ICMS do diesel a pedido do Governo Federal

Anvisa e Butantan se reúnem para tratar da CoronaVac para crianças

Idosa que passou 72 anos em situação análoga à escravidão é resgatada no rio no Rio

TSE conclui etapa de testes nas urnas eletrônicas sem encontrar falhas

PC desmonta quadrilha que roubou R$ 820 mil em joias e celulares no Oeste da Bahia

Veja os mais de 40 episódios do Tema Livre Podcast no nosso canal no Youtube

Cliente é indenizado em R$ 40 mil após ser chamado de 'Gaylileu' em cadastro de farmácia

Ex-frentista baiano assina quadros que se espalham pela América e Europa


'Pelo visto a guerra vai começar'; afirma vice-diretor da APLB/Caatinga, após categoria ter salários descontados na paralisação da rede estadual de ensino

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Terminou na última sexta-feira (21) a paralisação dos professores da rede estadual de ensino da Bahia. Mas uma nova polêmica surgiu, entre a categoria e o governador Rui Costa. Segundo o vice-diretor da APLB/Caatinga, André Azevedo, o governo da Bahia descontou o salário dos professores por conta de duas paralisações realizadas pela categoria em 2020. Na semana passada, os professores haviam suspendido as atividades entre os dias 18 e 21. Na pauta de reivindicações, estão melhorias no setor, como o reajuste linear de 12,84%, tabela, piso salarial, reforma do Ensino Médio e Bolsa Auxílio. Em entrevista ao 97NEWS, o sindicalista André Azevedo afirmou ainda que o governo Rui Costa está tratando o caso de forma truculenta. “O nosso governador [correria] correu bastante ai, e já fez o desconto em folha de dois dias de paralisação. E nossa opinião é um desconto ilegal, visto que estamos lutando pelos nossos direitos. Mas se tratando de um 'PHD' em greve, desculpem a ironia, a gente sabia que estávamos travando uma batalha contra um inimigo [astuto], um covarde, isso nós não tínhamos dúvidas", declara o vice-diretor da APLB/Caatinga. De acordo com Azevedo, o desconto em folha sirva de termômetro para a categoria, na qual pretende enfrentar uma greve. "A gente vai ver quais são as condições do professores em aceitar esse massacre em nossa carreira, e no próximo dia 04 de março teremos a assembléia geral. Pelo visto a guerra vai começar (Sic)", comentou o sindicalista. Ele ainda declara que no sábado (29), a regional sudoeste estará reunida na cidade de Vitória da Conquista e, um dos assuntos da pauta, será a possível greve.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário