ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Atleta vai representar Brumado no Campeonato Baiano de Karatê em Salvador

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana

Polícia descobre desmanche de carros durante operação em Caetité

Bahia tem nova redução e gasolina fica quase 10% mais barata; em Brumado o valor chega a R$ 5,09

Lacen realiza coleta de sangue de morador de Brumado com suspeita de Monkeypox

Vaca escorrega após invadir farmácia no Oeste da Bahia; vídeo viraliza na internet

'É melhor nos tratarem bem, senão vamos ligar o foda-se', diz Paulo Guedes em resposta à França

Homem é preso em operação de combate à pornografia infantil na Bahia

MP-BA lança cartilha digital que orienta sobre violência doméstica

Rosa Weber é eleita nova presidente do STF

Deputado João Carlos Bacelar discute com agentes de trânsito em Salvador


Brumado: 'Os Sindicatos devem se reinventar', diz diretor da Fecombase

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O movimento sindical do Brasil está em uma situação de "sono profundo", mas tem recursos para renascer e voltar a tomar uma postura ativa, disse o diretor da Federação dos Empregados no Comércio de Bens e Serviços do Estado da Bahia (Fecombase), Joir Sala, em entrevista ao site 97NEWS. "O diretor sindical ele tem que sair do seu gabinete e ir de encontro com o trabalhador. O sindicato hoje tem que mudar toda sua filosofia e se reinventar para sobreviver e ajudar o trabalhador", disse. Durante 4ª Plenária Sindical dos Comerciários do Oeste, Sudoeste e Chapada Diamantina, realizada neste final de semana em Brumado. Ele destacou sobre os impactos da reforma trabalhista que começou em 2017, ainda no governo de Michel Temer. Conforme Joir, os sindicatos previam que viveriam um forte impacto, com a eliminação da obrigatoriedade do imposto sindical e da homologação trabalhista. "A reforma trabalhista tirou esse dever e a obrigação da homologação, justamente para enfraquecer os sindicatos. Aquele momento da homologação,  sindicato passa a ser fiscal da rescisão do trabalhador, verificando se tudo está certo. Então com a reforma, foi tirada essa homologação", ressalta o diretor da Fecombase o qual ainda afirmou que mesmo sem a obrigatoriedade da homologação, as empresas comprometidas podem continuar o processo. "A empresa que se preza, ela pode procurar o sindicato para homologar. Porque inclusive vai dar uma certa garantia a empresa, na qual ele tem a chancela do sindicato em aprovar aquela rescisão, de forma transparente", diz Joir Sala. 

 



Comentários

  • Amaury

    "Sindicato tem que representar o trabalhador, ser apolítico."

Deixe seu comentário