ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Em nota, vereador denuncia que recebeu gabinete sem móveis e computadores

Mais rápida, grave e letal entre jovens: médicos relatam

Primeiras doses da vacina contra a Covid-19 chega em Brumado; imunização começou na manhã desta terça-feira (19)

Clínica Mais Vida traz para Brumado e região a médica Dra. Pâmela Araújo, que atua na área de Alergologia e Imunologia

Primeiras doses da vacina contra a Covid-19 chegam em Salvador

Nova doença pode gerar pandemia mais letal que Covid-19, alerta especialista

Bahia: Pelo menos dez cidades devem receber vacinas contra Covid-19 nesta segunda

Vacinação contra Covid-19 na Bahia deve durar 16 meses, estima Fábio Vilas-Boas

Profissionais de saúde compõem grupo da 1ª fase de vacinação contra Covid-19 em Brumado, diz secretário

Cidemar vence Covid-19 e tem reencontro emocionante com a família; vídeo

Após veículo capotar duas vezes, família sobrevive a acidente na BR-030 entre Brumado e Ibitira

Sede do Graer abrigará vacinas na Bahia; distribuição será feita com aeronaves

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Enfermeira de São Paulo é 1ª vacinada contra Covid-19 no Brasil

Pax Nacional sempre ao seu lado

Mais da metade dos inscritos falta ao 1º dia do Enem em meio à pandemia

Super promoção da Loja Império 10: duas peças por somente R$ 15

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid


Alfaiate de 77 anos é um resistente da profissão em Brumado

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

José Antônio da Silva, tem 77 anos e uma disposição de dar inveja a qualquer um. É alfaiate há 60 anos tem uma pequena alfaiataria, na Praça dos Meiras, em Brumado. “Eu comecei com 16 anos de idade com a ajuda do senhor Augusto, depois aprendi com outros e após um certo tempo, montei minha própria alfaiataria”, lembra ele. Seu Antônio é alfaiate de costura masculina, um dos últimos e talvez o mais antigo de Brumado. A moda da roupa pronta derrubou a costura sob medida. A profissão foi se extinguindo, mas ele resistiu. “A alfaiataria já acabou, eu é que sou teimoso”, brinca ele destacando que a Capital do Minério já chegou a ter oito alfaiates. Dedicado, seu Silva abre mão das evoluções tecnológicas, mantém sua alfaiataria com equipamentos antigos e muito bem conservados. Ele chega a passar quatro horas por dia sentado costurando principalmente calças sociais, ternos e coletes. "A profissão é difícil, começa devagar e vai se aperfeiçoando com um tempo", explica. Segundo seu José, quem compra sob medida, nunca mais passa em uma loja novamente. “É outra roupa completamente diferente. Ela se molda ao corpo, mostra personalidade e elegância de quem usa”, argumenta. Seu Antônio diz ainda que hoje conserta mais roupas que os clientes compram do que faz. "Hoje quase não se faz mais roupas sob medida, a maioria compram prontas, e depois vem aqui pra consertar ou ajustar. Está se perdendo a essência da alfaiataria", explica ele. O profissional chegou a trabalhar no centro da cidade, quando a feira livre de Brumado ainda era no prédio do atual Mercado de Artes. Sobre os filhos, Silva disse que nenhum deles seguiu o caminhos percorridos pela tesoura do pai. “Ninguém quis, meus filhos não quiseram porque não da dinheiro, só eu mesmo", enfatiza José.



Comentários

  • "Parabéns Zé pela seu profissionalismo, sua dedicação e compromisso com seu trabalho. Orgulho para todos nós. "

  • Mariza Helena souza Viana

    "Realmente hoje em dia tá difícil, mas a sua arte é como de poucos. Parabéns Zé. Você é realmente um profissional de mão cheia e tá de parabéns. Saúde e vida longa. O admiro muito. Saudades de vocês. Beijo em todos."

  • Rubem Ribeiro

    "Este é o cidadão que preza sua profissão, parabéns e abraços a você e toda família, Bita (Rubem e família)... "

Deixe seu comentário