ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Após reclamação de usuários, banheiros do terminal rodoviário de Brumado passa por reforma

China coleta amostras pelo ânus para diagnosticar Covid-19: 'Aumenta taxa de detecção'

Rui Costa diz que Anvisa tem “má vontade” para liberar uso da vacina russa

Brumado: Abertas inscrições para o curso de Pós Graduação em Gestão em Saúde na UAB

Dupla é detida com drogas no bairro Dr. Juracy, em Brumado

Há 4 anos sem renovar concessão, 'Embasa atua de modo irregular em Brumado', afirma secretário

Despesas do governo federal com alimentos passam de R$ 1,8 bilhão; só de leite condensado foi quase R$ 15 milhões

Barreiras: Caixão vazio é abandonado em beira de estrada

Brumado: Polícia Civil alerta para cuidados contra crimes de estelionato

SAC adota novo horário de atendimento aos sábados

Brumado registra 49 óbitos por conta da Covid-19, o novo coronavírus

Aracatu: Coelba desativa gatos de energia no município

Bahia: Detran capacita novos coordenadores de unidades de trânsito da capital e do interior

Brumado: Jovem tem bicicleta furtada dentro de casa no distrito de Lagoa Funda

Brumado: Clientes da Oi reclamam que telefones fixo e internet não funcionam

Tremor de terra é registrado em Jacobina

Faustão quebra o silêncio, confirma saída da Globo e não descarta deixar o país

Covid-19: Bahia já recebeu mais de meio milhão de vacinas imunizantes

Brumado confirma 27 novos casos de coronavírus nas últimas 24h

Jogador brumadense assina contrato com o Palmeiras por quatro anos


Estudo mostra que 65% dos policiais assassinados no Brasil são negros

Foto: Divulgação l SSP-BA

Dados do Anuário 2020 do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), revelam que 65,1% dos 172 policiais que foram assassinados no Brasil em 2019 eram negros. O números levam em consideração agentes no trabalho ou em momento de folga. As informações são do jornal Folha de São Paulo. Segundo o jornal, os policiais negros são as principais vítimas mesmo não sendo maioria nas forças policiais no país. O diretor-presidente da FBSP Renato Sérgio de Lima atribui a situação ao fato de haver mais negros entre os praças (de soldado a subtenente) do que entre os oficiais (de tenente a coronel), que exercem funções de comando. Ainda segundo Lima, outro fator importante a ser considerado é que a maioria de policiais negros moram em periferias e locais onde os índices de violência são maiores. Dados obtidos pela Folha, mostram que na Polícia Militar de São Paulo, 44,% dos soldados são negros. Entre os oficiais, esse número é de 22,1%, entre os tenentes, e 12,7%, entre os coronéis –topo da carreira.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário