ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Bahia: Homem é detido ao ir cumprimentar amigos em bar após testar positivo para Covid-19

Bares e restaurantes de Livramento de Nossa Senhora e Rio de Contas registram aglomerações

Ótica Stéfany, armação com preço único

Acelerador de partículas do Brasil produz a primeira imagem do novo coronavírus

Bahia chegou a 105 mil casos e 2.483 mortes por coronavírus no domingo

Comunicado Pax Nacional

PSOL entra com queixa crime contra Bolsonaro por atuação na pandemia

Covid-19: Brasil registra mais de 24 mil novos casos em 24h; óbitos superam 72 mil

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Brumado registra 263 casos da Covid-19 e 209 pacientes curados; dois estão hospitalizado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Caminhão tomba em ribanceira e deixa feridos em Conquista

Brumado: Irregularidades em Licitação pode ser um dos motivos de impeachment do Prefeito

Polícia desarticula quadrilha de receptação de caminhões furtados em Guanambi

Brumado: Em patrulhamento pelo bairro Dr. Juracy, Polícia apreende drogas


Presidente da CDL de Brumado diz que liminar determinando o fechamento do comércio é injusta

Foto: Luciano Santos l 97News

Na manhã da última segunda-feira (22), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Brumado promoveu uma coletiva de imprensa na sala de treinamentos do órgão para esclarecer alguns pontos da Liminar do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), na qual determina o fechamento de estabelecimentos não essenciais na Capital do Minério. Para o presidente da CDL, Manoel Messias, o fechamento dos serviços não essenciais na cidade é injusta. "A gente encara com uma certa tristeza, não que a gente não esteja preocupado com a saúde, a gente tá sim muito preocupado, tanto do lado da pandemia, quanto do lado da economia que trás sérios problemas a saúde também", comenta Messias. Segundo ele, a reabertura do comércio foi feita de forma gradual e responsável, com base nos dados da Secretaria Municipal de Saúde. “Quando nós recebemos esta notícia de revogar os decretos de flexibilização, a gente que está trabalhando e participando desde a primeira reunião com o município para analisar a situação da pandemia na cidade, haja vista que no início fechou tudo, e depois veio algumas notas técnicas liberando algumas atividades que a gente viu que era essencial, então, a partir deste momento, viemos estudando de que forma viria a reabertura e de que forma proceder", esclarece o presidente da CDL. 

 

Foto: Luciano Santos l 97News

Com cerca de um mês e meio com as portas fechadas, ele afirma que o comércio local só reabriu após dados técnicos que dessem uma segurança na flexibilização. "Quando tivemos uma vídeo conferência com a Defensoria e com o Ministério Público, foi explicado isso, inclusive apresentado toda a ação que o executivo tomou de uma forma totalmente responsável. E após isso, decidimos o porque não abrir. Porque nós tínhamos consciência que aquele fechamento poderia trazer uma nova onda de prejuízos à saúde. Muitos desempregos, inclusive já havia começado as demissões, então observando isso, solicitamos da prefeitura ver por esse lado, e foi compreendido", explica Manoel Messias. De acordo com o presidente, a taxa de contaminação existente no município não é por conta do comércio. "O comércio está todo organizado, é claro que tem um, dois ou três que não se adéqua, mas existe a fiscalização e as notificações que inclusive suspende alvarás no município. Essa fiscalização ela continua. Sabemos também que grande parte da população entendeu o recado e esta colaborando. Mas também tem uma parte da população que propicia o aumento do contágio, ou seja, não busca a prevenção no dia a dia", afirmou. Messias salientou que a CDL e o Município estão fazendo todo possível para reverter a decisão, visto que a economia local não pode ser mais prejudicada. “Não tenho conhecimento da área jurídica, mas ao grosso modo, entendo que esta decisão é inconstitucional e deveria ter se analisados os dados do município. Nós tivemos o exemplo do juiz local, que indeferiu o pedido da Defensoria porque a justiça local tem conhecimento dos dados", relatou o presidente da CDL. Sobre a Liminar, ele completou que o Município na próxima quinta-feira (25) vai entrar com o recurso com apoio inclusive do jurídico da CDL, dando um apoio com todas as informações sobre o comércio local.

 



Comentários

  • Jose Marcos

    "Aqui em Brumado tem pessoas principalmente JOVENS perambulando nas vias SEM MASCARA que se diz sufocando sera que vai precisar colocar faixas de AVISOS DO COVID 19 nas ruas como também vem pessoas de outros municípios sem MASCARA ficando BRUMADO com a culpa de pessoas que vem de outros lugares principalmente nesta época junina .Tendo barreiras em pontos estratégicos a diversos que vem de fora ja dar pra ter o controle ."

Deixe seu comentário