ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

SSP aponta que mais de 400 suspeitos de agredir mulheres foram presos nos primeiros sete meses de 2020

Hospital de Guanambi passa a contar com túnel de desinfecção

Lei Maria da Penha completa 14 anos ampliando medidas de proteção às mulheres

WSouza comemora mais de 2 mil inscritos em canal no Youtube

Carga de maconha avaliada em R$ 12 milhões é apreendida por polícia

Chegou em Brumado a loja que faltava! Império 10

Recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina. diz OMS

Bahia: Policiais civis anunciam paralisação de 24h na próxima terça-feira (11)

Agosto Dourado - a importância do aleitamento materno

Bahia chega a menor índice de ocupação de UTIs desde 25 de maio

Instituto Butantan diz ser possível ter vacina da Covid-19 para registro em outubro

Governador anuncia volta do transporte intermunicipal em algumas cidades da Bahia

'Prefeito de Brumado perdeu a capacidade de ouvir as pessoas', diz Fabrício Abrantes em entrevista à Brasil FM

Cinco pacientes estão internados com Covid-19 em Brumado

Morre aos 73 anos o ator Gésio Amadeu; artista foi diagnosticado com a Covid-19

Em dia de romaria, visitação à gruta de Bom Jesus da Lapa é reduzida

Comércio busca se adaptar para proteger clietes do novo coronavírus em Brumado

Bolsonaro diz que não vai continuar pagando auxílio emergencial por muito tempo

Brumado: 1.068 pacientes tiveram exames descartados e 479 estão curados da Covid-19

Operação integrada desarticula quadrilha de roubo a bancos em Juazeiro


Brumado: Escolas não podem exigir qualquer material didático no início do ano letivo e nem cobrar valores por falta de itens

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Com a proximidade do início do ano letivo, algumas instituições educacionais costumam praticar possíveis atos abusivos relacionadas à lista de materiais escolares. Buscando mais esclarecimento sobre o assunto, o 97NEWS entrevistou o advogado Jorge Malaquias Filho sobre os direitos e deveres do consumidor na hora de comprar o material escolar. Segundo ele, as instituições de ensino não podem, por exemplo, pedir que o aluno já apresente todo o material didático no início do ano letivo e nem exigir valores em substituição à entrega de itens da lista solicitada. "As escolas não podem, ainda, exigir nas listas materiais de uso coletivo, como materiais de limpeza, materiais de consumo e materiais de uso genérico, como folhas de ofício, cartolina, fitas adesivas, álcool, pincel, quadro ou Pen drive", destaca. Ainda segundo Malaquias, qualquer material que seja de uso coletivo é proibido, como algodão e papel higiênico, por exemplo. No entanto, a escola pode pedir algodão desde que o uso seja justificado aos pai ou responsáveis. "Se as instituições, dentro do seu plano pedagógico, pedem um algodão para fazer uma experiência na sala de aula, por exemplo, elas podem pedir aos pais mesmo com a lei dizendo que é proibido. Mas isso tem que ser justificado", conta. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

De acordo com o advogado, mesmo que o aluno não tenha os materiais didáticos exigidos pelas instituições de ensino, ele pode frequentar as aulas normalmente, sem qualquer tipo de constrangimento ou proibição. "Com relação à apresentação do material, os pais podem optar por entregar os itens de forma parcelada e até 8 dias antes da cada atividade", orienta o advogado que acrescentou ainda que a entrega dos itens pode ocorrer de forma parcelada. Para isso, as escolas precisam ter um planejamento. "A escola deve divulgar na lista, quando cada item exigido será usado. Com isso, os pais podem entregar o material até 8 dias antes da atividade", comenta. Ainda conforme o advogado, as listas exigidas pelas escolas podem, no decorrer do ano letivo, ser acrescidas em 30%. "No decorrer do ano, as escolas podem pedir novos itens que não constavam na lista inicial, mas esse acréscimo não pode passar de 30%. O que exceder deve ser arcado pela instituição", alerta. Conforme o advogado, pais ou responsáveis que se sentirem lesados podem procurar os órgãos de defesa do consumidor ou o Ministério Público. "Sempre que as pessoas sentirem que há lesão, o primeiro passo é procurar a escola e tentar diálogo. Se não houver diálogo, as pessoas devem procurar os órgãos de defesa do consumidor, porque trata-se de uma relação de consumo", concluiu.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário