ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

PMs de Contendas do Sincorá e Vitória da Conquista são investigados por homicídios em 2018 e 2019

Bahia confirma mais dois casos da varíola dos macacos nesta sexta

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Atleta vai representar Brumado no Campeonato Baiano de Karatê em Salvador

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana

Polícia descobre desmanche de carros durante operação em Caetité

Bahia tem nova redução e gasolina fica quase 10% mais barata; em Brumado o valor chega a R$ 5,09

Lacen realiza coleta de sangue de morador de Brumado com suspeita de Monkeypox

Vaca escorrega após invadir farmácia no Oeste da Bahia; vídeo viraliza na internet

'É melhor nos tratarem bem, senão vamos ligar o foda-se', diz Paulo Guedes em resposta à França

Homem é preso em operação de combate à pornografia infantil na Bahia

MP-BA lança cartilha digital que orienta sobre violência doméstica


Mineração de urânio da INB traz à tona memória de contaminação nos municípios de Caetité e Lagoa Real

Foto: Reprodução l Flavio Florido

Sem exploração na área das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), localizada no município de Caetité, a 100 km de Brumado, a notícia de que o governo federal liberou a exploração no local, que estavam paralizadas há cinco anos, trouxe aos moradores da cidade, mais uma vez à memória, medo e pavor. Segundo o governo federal, seis novas usinas serão construídas no país até 2050, e os investimentos passam de R$ 30 bilhões. Mesmo sendo um investimento energético para o Brasil, autoridades denunciam casos de câncer, principalmente na região de Caetité e Lagoa Real, provocados pelo contato com a radiação e danos ainda pouco conhecidos ao meio ambiente. Segundo a reportagem da BBC News Brasil, entre 2000 e 2009, houve pelo menos cinco acidentes que contaminaram parte dos rios e solo na região de Caetité. A retomada da mineração de urânio pela INB no município ainda precisa passar por etapas do licenciamento da CNEN, além de uma licença do Ibama, para que a extração de urânio recomece plenamente na mina do Engenho. Da liberação no dia 7 para cá, foi autorizada uma operação na qual o urânio já extraído é quebrado e organizado em pilhas, de onde é retirado um líquido pastoso que depois segue às etapas de enriquecimento nuclear. A empresa ocupa uma área de 1,7 mil hectares – mais de 2 mil campos de futebol – e tem 99 mil toneladas de urânio em reservas. Entre 2000 e 2014, a INB extraiu 3.750 toneladas de minério de urânio, altamente radioativo, da mina de Cachoeira, também parte do complexo de Caetité e hoje inativa. O urânio retirado do solo pela INB é concentrado em um formato líquido, chamado de licor, e depois enriquecido, tornando-se um pó de tom amarelo vivo chamado “yellow cake”. Depois, este é transportado em caminhões até Salvador, que posteriormente é enviado em navios para Canadá e Holanda, onde cumpre outras etapas do enriquecimento.

Foto: Divulgação

Conforme a BBC News Brasil, os trabalhos da INB em Caetité são marcados por críticas, denúncias e processos em relação a sequelas tanto na população quanto no meio ambiente. Próximas às suas instalações ficam pequenas comunidades agrárias como Barreiro, Juazeiro e Maniaçu, além do Quilombo de Malhada. Os estudos de impacto ambiental previram que haveria contaminação de mananciais subterrâneos, assoreamento dos rios por causa do depósito de sobras da mineração e inviabilidade do uso da água em pontos como o Córrego do Engenho. Quando a mineração de urânio começou em Caetité, todos os aspectos do cotidiano dos pequenos agricultores e moradores do entorno da usina mudaram radicalmente. No total, o Movimento Paulo Jackson – organização civil que acompanha o caso desde 2000, batizada em nome de um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores, nascido em Caetité – estima que 12 mil pessoas vivam em áreas diretamente afetadas pelas operações da INB em Caetité, Lagoa Real e também no município de Livramento de Nossa Senhora.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário