ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Clínica Mais Vida informa que estará de recesso entre 22 e 25 de junho

Homens são 98% dos presos por aborto no Brasil, diz Justiça

'Rei da Seresta' é preso após show no interior da Bahia

Brumado: Paulo Henrique é encontrado morto às margens de linha férrea no bairro Dr. Juracy

Justiça mantém multa de R$ 8,6 mi a Oi por propaganda enganosa em emissora de TV

Prefeita do município de Maetinga é alvo de duas CPIs

Vídeo em que advogada aparece chorando junto aos filhos por ter passado no concurso viraliza

Salário médio dos baianos era sexto menor do Brasil em 2022, aponta IBGE

Mulher é presa ao tentar vender filhos na Bahia; uma das crianças tinha 32 dias

OMS alerta sobre lote falsificado de Ozempic encontrado no Brasil

Inverno na Bahia: Cidades baianas devem ter frio de 10ºC

Super ofertas do mês de junho da Central das Carnes; confiram


2017: Agressões contra mulher brumadense crescem 130% ao ano, diz coordenadora do Creas

Os casos de violência contra a mulher no país cresceram a cada ano, e em Brumado, a situação infelismente não é diferente. Dados do Centro de Referência Especialização de Assistência Social (Creas) indicam que os casos de violência contra a mulher tiveram aumento de mais de 130%, este ano em Brumado. Os casos mais registrados são: violência física, psicológica e moral. Os dados foram divulgados pela coordenadora do Creas, Janine Caldeira. A também assistente social disse que desde a instalação do Creas em 2009, este ano, que nem terminou, já é considerado o mais violento contra a mulher. Janine considera que o aumento nos números é reflexo da força que as mulheres ganham na sociedade. "Com vários mecanismos governamentais e ação feminista nas ruas e em redes sociais, nós nos sentimos mais seguras e fortalecidas para registrar as ocorrências. Porém ainda há culpabilização da vítima e minimização da agressão durante o relato nas delegacias", afirmou. 

Foto: Luciano Santos l Conteúdo 97NEWS

Outro fator que agrava ainda mais, é que, o fato de não possuir uma Delegacia da Mulher, em Brumado, muitas delas, acabam não registrando, por medo ou vergonha. "Grande parte das agressões físicas está ligada ao alcoolismo e uso de drogas, e a maior incidência é nos finais de semana", declarou. O não registro das ocorrências se devem a ao fato de as vítimas terem medo dos agressores. Ainda segundo a assistente, o que mais preocupa é pelo fato de a grande maioria das ocorrências ocorrem dentro da família. As agressões partem de maridos, companheiros e até filhos e netos das vítimas. Por conta dos dados coletados, o quadro para a mulher na cidade é considerado emergencial. Caldeira disse ainda que os casos de violência se dão tanto em famílias carentes como em pessoas de maior renda financeira. Para se combater a violência contra a mulher a atenção afetiva é fundamental. "O papel da mulher na sociedade, hoje, é de luta pelos seus direitos e para desconstruir o machismo. Falta um caminho tenso e extenso, mas é a única saída para mudar realidade do Brasil", disse.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário