ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Aracatu: Professores concursados acusam gestor de desrespeitar decreto municipal

Brumado: 90ª Zona Eleitoral convoca eleitores para regularização de pendências

Hanseníase - quanto mais cedo o diagnóstico, maior a chance de cura

Brumado: Menor que furtou mercearia no Irmã Dulce volta a agir novamente no bairro São Felix

ONG em Brumado busca ajuda para continuar mantendo tratamento de dependentes químicos

Brumado: Moradores denunciam ponto de encontro de usuários de drogas em praça abandonada próximo a Feira Livre

'Vou sair dessa', diz apresentadora Ana Maria Braga ao revelar que está com câncer no pulmão

Conquista: Homem é encontrado morto na casa dele; corpo apresentava marca de facadas

Brumado: 'Não tenho mais pretensão de concorrer na política', diz Edmundo Pereira

Brumado: Homem é detido após ameaçar dono de bar com arma de fogo

Clínica Master: Dr. Absolom Duque atende em fevereiro

Mulher usa redes sociais para denunciar estupro em Porto Seguro: 'Nunca esquecerei'

Eleições 2020: Tendo Zé Ribeiro como principal pré-candidato à Prefeitura de Brumado pelo PT, Senador Jaques Wagner se esquiva e diz: 'Uma andorinha só não faz verão'

Caetité: Duas pessoas são baleadas durante discussão com policial durante show de Luiz Caldas

Aderindo movimento baiano, agentes e escrivães da Polícia Civil de Brumado paralisam atividades durante 48 horas

Brumado: Com presença de Jaques Wagner, PT realiza posse regional dos seus diretórios municipais

Brumado: Diagnosticada com fibromialgia, vendedora de cachorro-quente luta para pagar tratamento

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Covardia: Idosa de 80 anos tem maxilar quebrado durante assalto na zona rural de Brumado

PRF prende passageira que transportava 25kg de maconha em ônibus no município de Vitória da Conquista


NOS LABIRINTOS DA SAÚDE PÚBLICA

Se se imagina conhecer sobre a saúde no Brasil, favor adentrar-se um hospital público, ao menos a grande maioria deles. Não falo de um Sara Kubtischeck, tampouco de um Hospital das Clínicas em São Paulo. Afora poucos espalhados por este país continental, qualquer um em que se entre dará a medida certa da nossa saúde: filas, corredores lotados, macas pelo chão, leitos superlotados, falta de medicamentos básicos etc.

Aqui, a intenção não é apontar este ou aquele Governo. O foco está no problema em si. Talvez os números expressem tal realidade, ou, no mínimo, a justifiquem. Para não nos atermos a países europeus, ou tidos como de primeiro mundo, tomaremos por base os africanos em que, segundo a Organização mundial da Saúde (OMS), o investimento do Governo, nesta área, chega a uma média de 10,6% do seu orçamento federal. A média mundial, segundo a mesma OMS, é de 11,7%, ao passo que o Brasil se localiza no patamar de 8,7%. Num país em que (dados de 2012) 64% dos leitos hospitalares ficam com a saúde privada contra somente 36% com a pública, já se pode constatar um jogo elitista para o trato com um bem tão precioso como a vida.

 

É fato que a Carta Magna de 1988, também chamada de Constituição Cidadã, trouxe, no seu bojo de conquistas, o Sistema Único de Saúde, um modelo dos mais modernos do mundo que, dentre outros aspectos, contempla a Equidade, Universalidade, Integralidade da Atenção à Saúde, como primordiais na sua estrutura. Entretanto a realidade não condiz com o modelo idealizado.

Assim, não é de se estranhar deparar-se com um quadro perverso se o assunto for saúde. Ultimamente, vive-se uma pseudo-esperança de que o programa Mais Médicos venha reverter tal quadro. Será? Que vão fazer tais profissionais se, no dia a dia, lhes faltam medicamentos básicos para atendimento? Que milagre farão, por mais preparados que sejam, se não há infraestrutura básica em nossos Postos de Atendimento ou mesmo Hospitais? Que milagre fará um profissional de saúde na falta de uma simples dipirona, podendo levar o paciente a convulsionar-se? Que farão se, ante a necessidade de se regular um paciente (transferi-lo para uma unidade mais aparelhada), esbarram numa ambulância sem combustível, numa unidade recebedora lotada?

Há que se repensar a ordem das prioridades no trato com o dinheiro público. Há que se dar à vida o lugar que ela efetivamente merece: as raiais do sagrado.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário