ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Serviço de primeiro emplacamento só poderá ser realizado após a confirmação de dados

Brumado: Adolescente de 13 anos diagnosticada com tumor no cérebro aguarda por uma vaga em uma UTI avançada

Novo carregamento da vacina pediátrica da Pfizer chega ao Brasil

Mulher doa rim para namorado e homem acaba relacionamento após traí-la

Guanambi: Duas pessoas são conduzidas à delegacia por furto de energia

Os melhores aromatizantes para ambientes você encontra na Império Utilidades

Euclides da Cunha: Mulher é achada morta dentro de imóvel com sinais de enforcamento

A Pax Nacional tem credibilidade e compromisso comprovado, não aceite imitações

Brasil registra 84 mil casos de Covid e cerca de 1 milhão em uma semana

Conheça o kit 'Barriga Tanquinho' de Marcelo Esportes

Guanambi: Prefeitura habilita 10 leitos clínicos para tratamento da Covid-19 e mais 10 leitos de suporte à UPA

RotSat: Conheça o nosso site com 'Menu' de acesso rápido

Bahia atinge 18.314 casos ativos de Covid-19 e registra 18 mortes pela doença

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Comprovante de vacinação passa a ser exigido em delegacias da Bahia

Piloto morre após queda de avião em Luís Eduardo Magalhães

Vitória da Conquista: Terreiros de religiões de matriz africana ganham imunidade tributária

Brumado registrou 178 casos ativos de Covid-19 na sexta-feira


Delações da Odebrecht atrasam Lava Jato

(Foto: Reprodução)

O empenho da Operação Lava Jato para concluir as delações premiadas da Odebrecht adiou para depois de fevereiro as negociações de acordos já em andamento. Entre os réus, há presos que tratam de delações consideradas importantes para a força-tarefa, como o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, e o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque. Prioridade zero para a Operação Lava Jato, a Odebrecht passou a protagonizar a atenção dos investigadores a partir de junho deste ano, quando o ex-presidente da construtora Marcelo Odebrecht começou a negociar o acordo de delação premiada. O auge da negociação, no entanto, ocorreu entre os dias 12 e 17 deste mês. Nesse período, o Ministério Público Federal (MPF) organizou um mutirão para a coleta de depoimentos e negociações para firmar os acordos de 77 executivos da Odebrecht. O trabalho tomou uma semana de dedicação exclusiva não apenas dos 13 procuradores da força-tarefa em Curitiba. Ao todo, foram acionados mais de cem procuradores em 30 cidades, que colheram cerca de 800 depoimentos. O esforço tinha como objetivo entregar a documentação ao ministro-relator das ações da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, antes do dia 19, data em que começou o recesso de fim de ano do Judiciário. O prazo foi cumprido mas a custo da suspensão das demais negociações. “A Procuradoria estava até sem tempo para conversar com as outras empresas por causa disso”, afirmou o advogado Edward Rocha de Carvalho, que, na Lava Jato, defende réus ligados às construtoras Andrade Gutierrez e OAS.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário