ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Garimpo ilegal movimentou mais de R$ 200 milhões no Brasil

Brumado: Superintendente da SMTT acredita que ‘polêmica’ com radares é apenas uma questão de adaptação

Brumado: Em coletiva, pré-candidato ACM Neto critica péssimos índices na segurança da Bahia e defendeu mudança de postura

Brumado: PM impede que morador em situação de rua seja espancado até a morte por homens; veja vídeo

Loja da Eletrozema é consumida por incêndio em Livramento de Nossa Senhora

Secretário de Administração Penitenciária da Bahia realiza visita técnica ao presidio de Brumado

Brumado: Polícia Civil concluiu investigação do homicídio ocorrido no bairro do Mercado

Brumado: Secretário de Administração Penitenciária é recebido pelo prefeito Eduardo Vasconcelos

Sala do Empreendedor promove workshop para estudantes do CEEP de Brumado

Idoso de 67 anos fica ferido em acidente com picape próximo a 'Serra do Marçal'

Médico é preso em flagrante suspeito de estuprar adolescente de 13 anos

Você já ouviu falar no Rap Geek? O Tema Livre Podcast bateu um papo com Dock Elo, criador desta arte em Brumado

Trabalhadores do comércio de Brumado e Região tem direito no Benefício Social e já podem aproveitar

Chuva de granizo atinge cidade de Mucuri, no extremo sul baiano

TCM adverte Prefeitura de Brumado por irregularidades em licitação da limpeza pública

Grupo operativo da Ouvidoria Cidadã de Brumado toma posse na Defensoria Pública Estadual

Termômetros podem marcar 10 graus nos próximos dias no Sudoeste da Bahia

Bahia: Secretário da Segurança Pública defende descriminalização da maconha

TSE e Telegram formalizam acordo para combate às fake news

Criança é encontrada viva depois de passar dois dias dentro de buraco na Bahia


Ministros do STF decidem pela prisão de Dirceu e os demais réus condenados

Os ministros do  Supremo Tribunal Federal (STF)  decidiram nesta quarta-feira (13), por maioria (seis votos a cinco), pela execução imediata da pena imposta a vários condenados no processo do mensalão, entre eles o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu; o ex-presidente do PT e deputado licenciado José Genoino; o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o operador do mensalão, Marcos Valério.

Após muita discussão e dúvidas entre os próprios ministros, o Supremo entendeu que os réus terão de iniciar o cumprimento da pena pelos crimes dos quais não recorreram por meio dos embargos infringentes (recursos ao qual têm direito réus que obtiveram pelo menos quatro votos favoráveis nas condenações). Os infringentes só serão julgados no ano que vem.

A decisão foi tomada em questão de ordem apresentada pelo relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que sugeriu que 22 dos 25 condenados passassem a cumprir as penas de prisão ou prestação de serviços. Outros quatro ministros concordaram com essa tese, mas outros seis consideraram que não pode ser executada a pena referente a crime que ainda é motivo de questionamento.

Pelo menos 16 condenados terão de cumprir a pena de imediato: os sete que não entraram com embargos infringentes em nenhum dos crimes pelos quais foram condenados, além dos que usaram os infringentes para questionar somente parte das penas.

O Supremo terá agora de contabilizar quais foram os réus que deixaram de questionar punições por meio dos infringentes.

Assim, se um réu recebeu menos de quatro votos favoráveis e mesmo assim resolveu apresentar embargos infringentes, ele não poderá ser preso pelo crime que questionou no recurso. Isso porque o Supremo entendeu que quem tem recurso pendente de julgamento em determinado crime não pode começar a cumprir a pena.

Se um réu deixou de questionar alguma das condenações, terá de iniciar o cumprimento da pena por aquele crime.

Ao final do julgamento, o ministro Luís Roberto Barroso afirmou que somente "cerca de três ou quatro" dos 25 condenados não iniciarão de imediato o cumprimento da pena.

Perguntado se o ex-ministro José Dirceu teria de começar a cumprir a pena desde já – uma vez que questionou por meio de embargos infringentes somente a condenação por formação de quadrilha e não a condenação por corrupção ativa – o ministro respondeu: "Certamente sim".

Barroso explicou ainda que a decisão sobre a expedição dos mandados de prisão ficará a cargo do relator do processo, ministro Joaquim Barbosa. A assessoria de imprensa do Supremo informou que nesta quinta-feira será feita uma verificação de quantos condenados terão de iniciar o cumprimento das penas imediatamente e quantos aguardarão em liberdade o julgamento dos embargos infringentes. Só depois disso serão expedidos mandados de prisão.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário