ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Apenas um hospitalizado e 221 curados da Covid-19, aponta boletim desta terça-feira (14)

Brumado: Volta às aulas acontece na próxima segunda-feira (20) por meio de sistema online

Bahia: Falso delegado da Polícia Federal suspeito de roubo é preso no interior

Brumado registra aumento na procura por medicamentos para ansiedade e insônia

Queimada atinge área de preservação ambiental em Luís Eduardo Magalhães

Vitória da Conquista: Dengue, zika e chikungunya têm 1.764 casos confirmados

Brumado: Mesmo inclusa na lista das cidades com 'toque de recolher', prefeitura não vai seguir Decreto Estadual

Mais 15 cidades da Bahia terão ‘Toque de recolher’; ao todo já são 77 cidades na lista do Decreto estadual

PF prende homem que ameaçava derrubar Rodrigo Maia e ministros do STF 'na bala'

IPVA 2020 veículos do transporte escolar foi adiado para setembro de 2021

Milionários criam proposta para que governantes cobrem mais impostos da classe e ajude nos custos com o Covid-19 no mundo

Brumado: 58 pacientes estão com o vírus do Covid-19 ativo; 210 foram curados

Caculé: Indústria de esquadrias vai investir R$ 3 milhões com ampliação de fábrica; novos empregos surgirão

Filha de vereador denuncia nas redes sociais agressões feitas pelo pai: 'Ele me deu vários murros'

LAB: Coleta em domicílio

Polícia Rodoviária Estadual lança mascote para auxiliar em ações de conscientização

Rússia conclui testes e pode iniciar distribuição de vacina contra Covid-19 em agosto

Secretário da Saúde critica distribuição de 'kit covid' com remédios controlados

PRF apreende carga de relógios avaliada em mais de R$ 200 mil em Jequié

Câmara de Brumado poderá aprovar, hoje (13), o retorno dos 180 dias da Licença Maternidade


Temer faz ofensiva sobre aliados de Renan para evitar chapa de oposição

(Foto: Divulgação)

Disposto a costurar um acordo com adversários internos para permanecer no comando do PMDB pelos próximos dois anos, o vice-presidente da República, Michel Temer, deu início a uma ofensiva sobre aliados do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a fim de evitar o lançamento de uma chapa de oposição na eleição que irá escolher o novo presidente do partido. A votação que elegerá a nova direção do PMDB está prevista para março, durante a convenção nacional da sigla, em Brasília. Algumas lideranças peemedebistas, como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), defendem que a legenda aproveite o encontro partidário para discutir o rompimento com o governo Dilma Rousseff. Atualmente, o PMDB controla, além da Vice-Presidência da República, seis ministérios e diversos cargos de segundo e terceiro escalão do governo federal. Até o momento, o único candidato para o cargo de presidente do PMDB é Michel Temer. Ele está no comando do partido desde 2001. No entanto, depois da troca de farpas protagonizada publicamente em dezembro pelo vice-presidente da República e pelo presidente do Senado, aliados de Renan passaram a ventilar o interesse do senador alagoano em patrocinar uma candidatura de oposição a Temer.

Os dois se estranharam após Eduardo Cunha autorizar, no início de dezembro, a abertura do processo de impeachment de Dilma. Mesmo pressionado por integrantes do Palácio do Planalto a manifestar apoio à presidente da República, Temer optou por não criticar a tentativa de oposicionistas de afastar a petista da Presidência. Renan, entretanto, aproveitou a ocasião para se aproximar ainda mais de Dilma. Além de ajudar o Planalto a aprovar no apagar das luzes de 2015 a mudança da meta fiscal e o Orçamento da União para 2016, o presidente do Senado surpreendeu o PMDB ao criticar a postura do presidente do partido no episódio da destituição do deputado Leonardo Picciani (RJ) como líder do PMDB na Câmara. Simultaneamente, senadores ligados a Renan acusaram o vice-presidente de ter operado uma intervenção na bancada da Câmara para afastar Picciani, que havia indicado apenas deputados afinados com o governo para a comissão especial do impeachment. À época, Renan acusou Temer e o próprio PMDB – partido comandado pelo vice há 14 anos – deterem "muita culpa" na crise política que o país enfrentou no fim do ano passado. Em resposta à provocação do presidente do Senado, Temer declarou, por meio de uma nota, que o PMDB "não tem dono nem coronéis". O mal-estar gerado pelas declarações rachou o partido. Diante do risco de ver surgir uma candidatura de oposição, Temer passou a se movimentar nos bastidores. A primeira reação do atual presidente do PMDB, relataram ao G1 pessoas próximas a Temer, foi procurar o senador Romero Jucá (RR-PMDB) para pedir que ele intermediasse junto ao grupo de Renan Calheiros uma chapa que contemplasse os aliados do parlamentar alagoano e tivesse o aval dos demais caciques da bancada. A direção nacional do PMDB é formada por um presidente, três vices, três secretários e dois tesoureiros. Na composição atual, a primeira vice-presidência, a terceira e a tesouraria estão sob o comando de senadores próximos a Renan Calheiros – Valdir Raupp (RO), Romero Jucá e Eunício Oliveira (CE), respectivamente. Peemedebistas dizem que o objetivo de Romero Jucá é trocar o atual posto de terceiro vice-presidente do PMDB pela presidência ou pelo cargo de primeiro vice – que assume o comando do partido em uma eventual licença do presidente. Para isso ocorrer, entretanto, o atual primeiro vice, Valdir Raupp, teria de aceitar a troca em uma chapa ainda a ser formada – segundo pessoas próximas ao senador de Rondônia, ele espera ser consultado por Temer antes de a mudança ser definida.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário