ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Homem morre em confronto com policiais na Chapada Diamantina

TRE da Bahia volta exigir obrigatoriedade de uso de máscaras em suas dependências

Postos SAC na capital e interior fecham na sexta-feira (24) e sábado (25)

Bahia: Carreta pega fogo populares saqueiam carga na BR-116

Com 40 casos hospitalares em 22 dias, Sesab alerta para risco de queimaduras nos festejos juninos

Atendimento do INSS ficará suspenso durante o feriado de São João na Bahia

Receita alerta para golpes envolvendo a regularização de CPF

Tanhaçu: Motociclista fica ferido após atropelar animal na BA-142

Covid-19: Casos ativos chegam a 5,2 mil na Bahia e estado registra nove mortes em 24h

Câmara Municipal de Vereadores de Brumado recebe representante do Tiro de Guerra

Psicólogo da Clínica Mais Vida fala sobre a Logoterapia e a superação dos traumas emocionais


Encruzilhada: Polícia Civil constata que tudo não passou de 'brincadeira de mau gosto'

(Foto Ilustrativa)

Após a denúncia da ONG MeninaDança, repercutida no tabloide inglês Daily Mail, de que a virgindade de meninas era rifada no município de Encruzilhada, no sudoeste da Bahia, a Polícia Civil explicou que a ideia teria partido das próprias garotas. De acordo com a polícia, três meninas, entre 11 e 13 anos, tiveram a iniciativa e organizaram a rifa por conta própria, inspiradas no caso de Catarina Migliorini, a catarinense que fez um leilão da própria virgindade há três anos. O caso foi denunciado há um ano à delegacia da cidade, que acionou o Conselho Tutelar. A polícia disse que nenhum homem assinou a rifa. Os responsáveis pelas meninas foram convocados e foi constatado que tudo não passou de “uma brincadeira de mau gosto”, segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil da Bahia. Na reportagem veiculada no site do jornal britânico, o jornalista Matt Roper afirma que homens pagariam cerca de R$ 30 por um bilhete para participar do bingo e abusar das meninas. Quando o “prêmio” era uma garota virgem, os valores subiriam. O tabloide ainda afirmou que o delegado Arilano Botelho teria confirmado a denúncia, garantindo que o caso estava em investigação, já havia sido encaminhado à Justiça e que os responsáveis seriam presos. Por meio da assessoria, a Polícia Civil afirmou  que o delegado nunca conversou com o repórter e negou as informações da matéria. Procurado  o delegado não quis se pronunciar. Já o jornalista britânico Matt Roper reafirmou as informações publicadas no Daily Mail à reportagem e garantiu que tem como provar a conversa que teve com o delegado. A ONG MeninaDança afirmou que a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social entrou em contato e disse que vai reabrir a investigação.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário