ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

PMs de Contendas do Sincorá e Vitória da Conquista são investigados por homicídios em 2018 e 2019

Bahia confirma mais dois casos da varíola dos macacos nesta sexta

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Atleta vai representar Brumado no Campeonato Baiano de Karatê em Salvador

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana

Polícia descobre desmanche de carros durante operação em Caetité

Bahia tem nova redução e gasolina fica quase 10% mais barata; em Brumado o valor chega a R$ 5,09

Lacen realiza coleta de sangue de morador de Brumado com suspeita de Monkeypox

Vaca escorrega após invadir farmácia no Oeste da Bahia; vídeo viraliza na internet

'É melhor nos tratarem bem, senão vamos ligar o foda-se', diz Paulo Guedes em resposta à França

Homem é preso em operação de combate à pornografia infantil na Bahia

MP-BA lança cartilha digital que orienta sobre violência doméstica


UFBA e mais 15 universidades entram em greve

(Foto: Reprodução)

Aderindo à greve nacional decretada por professores e funcionários de universidades federais de 16 estados, os docentes da Universidade Federal da Bahia (UFBA) decidiram no fim da tarde de ontem (28), em assembleia, parar as atividades de imediato. Com uma votação que teve 212 a favor da greve e 82 contra, os servidores iniciam a sexta-feira de “braços cruzados”. Após decretar adesão ao movimento nacional, os docentes da universidade baiana fizeram outra votação para decidir a data de início da greve. Por contraste, foi decidido que as aulas seriam suspensas já na noite de ontem. No entanto, professores de algumas faculdades, como a Faculdade de Comunicação, devem manter as aulas até o fim do semestre, previsto para o dia 11 de julho. Alunos e professores lotaram a reunião que aconteceu no Pavilhão 1, em Ondina. A assembleia precisou ser realizada na área externa, com quase duas horas de atraso, devido à grande quantidade de pessoas. Docentes tiveram cerca de três minutos para discursar, e a greve foi decretada como forma de pressionar o governo a ampliar o repasse às universidades federais, mesmo com o corte de R$ 9,42 bilhões no orçamento do Ministério da Educação.  Assuntos como a falta de assistentes na Faculdade de Odontologia da UFBA foram destacados. A pauta de reivindicações também inclui reestruturação da carreira e aumento de investimentos nas universidades federais. Na assembleia realizada na última quinta-feira (21), o reitor João Carlos Salles assumiu que a UFBA tem uma dívida de R$ 28 milhões, referente ao ano de 2014. Também decretaram greve as universidades federais de Alagoas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte,  Rondônia, Sergipe e Tocantins.  Docentes e funcionários de universidades de outros estados devem realizar assembleias nos próximos dias para decidir se participam ou não do movimento nacional, que já havia sido anunciado pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), após decisão em 16 do mês corrente.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário