ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Quase 400 indicações foram feitas no primeiro semestre deste ano na Câmara de Vereadores

Brumado: Ônibus bate em poste e deixa moradores sem energia elétrica na Av. João Paulo

Morro do Chapéu: Praça com disco voador de 40 toneladas é inaugurada nesta sexta-feira

Presidente sanciona lei que amplia pena para violência contra crianças

Atirador mata 14 estudantes e um professor em escola primária no Texas

Conquista: Justiça cassa mandato de vereador por denúncia de fraude em eleição

UniFG comemora 20 anos com expansão e objetivo de transformar mais vidas pela educação

Câmara de Brumado aprova projetos de lei, requerimentos e indicações

Detran da Bahia implementa cartões de exames eletrônicos durante avaliações para CNH

Brumado: IMEP realizará Cruzada de Cura, Libertação e Milagres no Bairro São Felix

Brumado registra aumento de casos de chikungunya na zona rural

Dr. Felipe Leão, médico da Clínica Mais Vida, alerta sobre a importância da realização do check-up

Após dez meses de trabalho missionário, Jocum pretende construir sede própria em Brumado

412 mil baianos ainda não declararam imposto de renda; prazo acaba em uma semana

PM apreende homem por importunação sexual contra jovem em Aracatu

Presidente da Petrobras é demitido; Caio Mário Paes assume cargo

Varíola dos macacos já está presente em 12 países e já existe quarentena obrigatória para infectados

Vídeo mostra briga generalizada no Show de Gusttavo Lima em Brasília

O outro lado da história: Pai afirma que o parto da filha aconteceu em sua residência

Mãe mata filho de 5 anos em Vitória da Conquista; arma usada no crime pertence ao pai


Após denúncia do MP, 11PMs devem encarar júri popular por sequestro e homicídio de Geovane

(Foto: Reprodução)

“Agiram os acusados de maneira a impedir qualquer ação defensiva da vítima, sendo ela surpreendida, presa e mantida sob a guarda dos denunciados quando então foi subjugada e morta, com a ressalva, de que, de acordo com a perícia, foi ela decapitada quando se encontrava em posição vertical perante o solo, portanto, ajoelhada e humilhada”. Assim a denúncia da promotora Isabel Adelaide Moura descreve a morte de Geovane Mascarenhas de Santana. No total, 11 policiais militares estão denunciados ao Tribunal do Júri pelo assassinato do rapaz, então com 22 anos, em agosto. Caso a denúncia seja aceita, os policiais viram réus ainda pelos crimes de sequestro e roubo - sete deles serão julgados também por ocultação de cadáver. A decapitação de Geovane quando ele estava ajoelhado e humilhado, foi uma das bases para que, no inquérito policial, os 11 PMs fossem também indiciados por crime de tortura - que a promotora descartou. Mesmo assim, a denúncia mostra que a crueldade dos policiais não terminou com a decapitação. Na peça encaminhada ao 1º Tribunal do Júri, a promotora Isabel Adelaide afirma que os PMs acusados estavam todos na sede da Rondesp BTS (Baía de Todos os Santos), no Lobato, “onde ceifaram a vida da vítima, retirando-lhe as mãos, a genitália e a cabeça; e ainda extraíram de seu corpo partes tatuadas para evitar a identificação”. A tecnologia foi decisiva para que os investigadores do DHPP reunissem provas contra os PMs. O GPS das viaturas, mesmo desligado pelos acusados, emitiu sinais a uma central em outro estado e o radiocomunicador portátil (HT) usado pelo soldado Jesimiel, da guarnição que abordou Geovane, na Calçada, também registrava sua localização.  Esses aparelhos foram decisivos para rastrear os passos dos PMs do momento em que o rapaz foi abordado - diante de câmeras de uma residência - até a saída das viaturas para livrarem-se do corpo. Na investigação, os próprios PMs foram flagrados em contradições. No primeiro depoimento, os envolvidos na captura de Geovane - o subtenente Claudio e os soldados Jesimiel e Jailson - disseram ter levado o rapaz e a moto para serem reconhecidos por uma vítima de furto e, como não houve reconhecimento, imediatamente o soltaram. A testemunha desmentiu os PMs: contou que não viu a moto nem a soltura do rapaz. Eles alegaram ainda que não conheciam a vítima, mas as mulheres de Geovane e Jesimiel são primas. Desmascarados pela tecnologia e pelas testemunhas, os PMs estão a caminho do banco dos réus.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário