ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Desatenção de motociclista causa acidente na Av. Coronel Santos

Após quatro dias de queda, casos ativos da Covid-19 voltam a subir na Bahia

Sindicato dos Bancários acusa banco privado por descumprir acordo e demitir durante pandemia

Piatã: Moradores denunciam mineradora por poluição em nascente de rio

Brumado: Prefeito é intimado para audiencia de instrução no processo que pode levar ao seu impeachment

Estudo garante que vacina americana é segura e gera anticorpos

Começa hoje pagamento do auxílio emergencial de R$ 300 para nascidos em janeiro

Brumado ultrapassa os 1500 casos da Covid-19, o novo coronavírus

Vinte candidatos se autodeclaram analfabetos nas eleições deste ano

Eleições 2020: Município de Licínio de Almeida tem apenas um candidato ao Executivo

Baianos receberam sementes 'misteriosas' que acenderam alerta no Brasil

Candidato à Prefeito em Brumado, Geraldo Azevedo é internado na UTI de Vitória da Conquista com Covid-19

Restaurante serve 'marmitex' com carvão para cliente com transtorno mental em Serra do Ramalho

PF cumpre mandados em Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora na Operação 'Work Out'

Ladrões se vestem de operários e roubam fios de cobre subterrâneos em obra no centro de Salvador

Brumado: Corrida à vagas no Legislativo tem recorde de candidatos inscritos

Brumado: Município confirma 17ª morte por coronavírus; já são 235 casos ativos

Bahia antecipa pagamento de aposentados e pensionista no mês de setembro

Corpo de mulher em estado de decomposição é encontrado em Aracatu

'Números de óbitos ainda estão altos', diz Rui ao ser questionado sobre volta às aulas


Após denúncia do MP, 11PMs devem encarar júri popular por sequestro e homicídio de Geovane

(Foto: Reprodução)

“Agiram os acusados de maneira a impedir qualquer ação defensiva da vítima, sendo ela surpreendida, presa e mantida sob a guarda dos denunciados quando então foi subjugada e morta, com a ressalva, de que, de acordo com a perícia, foi ela decapitada quando se encontrava em posição vertical perante o solo, portanto, ajoelhada e humilhada”. Assim a denúncia da promotora Isabel Adelaide Moura descreve a morte de Geovane Mascarenhas de Santana. No total, 11 policiais militares estão denunciados ao Tribunal do Júri pelo assassinato do rapaz, então com 22 anos, em agosto. Caso a denúncia seja aceita, os policiais viram réus ainda pelos crimes de sequestro e roubo - sete deles serão julgados também por ocultação de cadáver. A decapitação de Geovane quando ele estava ajoelhado e humilhado, foi uma das bases para que, no inquérito policial, os 11 PMs fossem também indiciados por crime de tortura - que a promotora descartou. Mesmo assim, a denúncia mostra que a crueldade dos policiais não terminou com a decapitação. Na peça encaminhada ao 1º Tribunal do Júri, a promotora Isabel Adelaide afirma que os PMs acusados estavam todos na sede da Rondesp BTS (Baía de Todos os Santos), no Lobato, “onde ceifaram a vida da vítima, retirando-lhe as mãos, a genitália e a cabeça; e ainda extraíram de seu corpo partes tatuadas para evitar a identificação”. A tecnologia foi decisiva para que os investigadores do DHPP reunissem provas contra os PMs. O GPS das viaturas, mesmo desligado pelos acusados, emitiu sinais a uma central em outro estado e o radiocomunicador portátil (HT) usado pelo soldado Jesimiel, da guarnição que abordou Geovane, na Calçada, também registrava sua localização.  Esses aparelhos foram decisivos para rastrear os passos dos PMs do momento em que o rapaz foi abordado - diante de câmeras de uma residência - até a saída das viaturas para livrarem-se do corpo. Na investigação, os próprios PMs foram flagrados em contradições. No primeiro depoimento, os envolvidos na captura de Geovane - o subtenente Claudio e os soldados Jesimiel e Jailson - disseram ter levado o rapaz e a moto para serem reconhecidos por uma vítima de furto e, como não houve reconhecimento, imediatamente o soltaram. A testemunha desmentiu os PMs: contou que não viu a moto nem a soltura do rapaz. Eles alegaram ainda que não conheciam a vítima, mas as mulheres de Geovane e Jesimiel são primas. Desmascarados pela tecnologia e pelas testemunhas, os PMs estão a caminho do banco dos réus.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário