ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Covid-19: cai de 12 para 8 semanas prazo entre as doses da AstraZeneca

Presidente da Alba assume interinamente o governo da Bahia após viagem de Rui e Vice

MP-BA recomenda que Guanambi desalugue prédio da Cultura após erros em licitação

Brumado tem 100,3% da população acima de 12 anos vacinada com a primeira dose

Bahia: Menino de 11 anos cria simulador para jogos de celular com materiais recicláveis

SSP-BA recebe empresas para contratação de câmeras corporais

Psicóloga Paula Machado aborda o tema: Sabemos lidar com as perdas?

Brumado: Um ano depois, 'funileiro' termina veículo inspirado no modelo WT

Operação Nossa Senhora Aparecida: PRF apreende cerca de R$ 2,5 milhões em drogas nas estradas da Bahia

Brumado: Após bloqueio de moradores, SMTT remove pneus de via no Apertado do Morro

Bahia: No combate a violência doméstica e tráfico de drogas, Polícia deflagra ação no interior

Brumado: Presidente da Câmara é vítima de fake news e denuncia crime à Polícia Cívil

STF derruba lei que liberava venda de remédios para emagrecer

Salvador: PM apreende armamento e drogas durante evento de paredão

Durante live, Bolsonaro volta a defender 'kit covid'

Bahia: Cerca de 14 mil processos de suspensão de CNHs serão arquivados

Brumado: Sindsemb homenageia os professores com mensagem de agradecimento e valorização

STJ autoriza retorno de Maurício Barbosa ao cargo de delegado da PF

Major Leila Silva realiza visita institucional a presidente da Câmara de Brumado

Brumado: TOR apreende produtos eletrônicos sem nota fiscal na BR-030


Sintepav discorda de afirmação de representantes da Barbosa Mello de que não haverá demissões locais

(Foto: Marcos Paulo / 97NEWS)

O terror da demissão coletiva, pelo menos para a gerência local da Barbosa Mello, que é integrante do consórcio de empresas da Andrade Gutierrez que comanda as obras do Lote IV da Fiol em Brumado, está afastado neste momento. Segundo declarações do gerente de obras Alexandre Braga o risco de demissões em massa não existe. A afirmação foi prontamente confrontada pelo vice-presidente do Sintepav, Irailson Warneaux, que explicou que “esse tipo de afirmação é muito comum nos representantes das empresas que prestam serviço a Fiol, mas não é a realidade”. Ele ainda fez questão de salientar que “eles dizem isso somente para não perder os contratos e causar pânico nos empregados, mas a realidade é bem diferente, pois todos já sabem que a Valec está sem fazer os repasses há mais de 3 meses e, com isso, é inevitável que a obra seja paralisada e todos os cerca de 8 mil empregados sejam demitidos”. Nos próximos dias o impasse deverá ser esclarecido, já que as demissões já se iniciaram no Lote I, então, caso não haja uma intervenção imediata por parte do governo federal, liberando novo contingente de verbas, as obras da ferrovia devem mesmo ser paralisadas em todo o estado da Bahia.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário