ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mãe tenta vender filho por R$ 400 e foge do hospital após parto

Brumado: Homem é preso após matar companheiro da ex-namorada com golpes de faca no bairro do Mercado

Planejamento das Eleições Gerais 2022 é debatido na sede do TRE-BA

Barra da Estiva: PM apreende seis carros com suspeita de serem clonados

CGU aponta R$ 2,6 bi em desvios do Farmácia Popular

Eleições no Clube Social de Brumado: Chapa 2 quer renovação e inclusão das mulheres na gestão

Estados dizem que cumpriram lei e vão recorrer no STF sobre ICMS no diesel

Em mais uma decisão, justiça suspende licitação que pretendia privatizar serviços de água e esgoto em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Neste domingo (15) haverá o fenômeno 'Lua de Sangue' triplamente especial

Sabadão! Tudo pronto para a festa 'Apaixona Brumado' no espaço Popeye Prime

STF suspende políticas estaduais sobre o ICMS do diesel a pedido do Governo Federal

Anvisa e Butantan se reúnem para tratar da CoronaVac para crianças

Idosa que passou 72 anos em situação análoga à escravidão é resgatada no rio no Rio

TSE conclui etapa de testes nas urnas eletrônicas sem encontrar falhas

PC desmonta quadrilha que roubou R$ 820 mil em joias e celulares no Oeste da Bahia

Veja os mais de 40 episódios do Tema Livre Podcast no nosso canal no Youtube

Cliente é indenizado em R$ 40 mil após ser chamado de 'Gaylileu' em cadastro de farmácia

Ex-frentista baiano assina quadros que se espalham pela América e Europa


Presídios baianos devem ganhar alas LGBTs para reduzir violência contra homossexuais

Foto: Divulgação

A Bahia deve ser o próximo estado a implantar alas para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e trangêneros (LGBTs) como forma de reduzir a violência dentro de presídios. A mudança deve acontecer em unidades que ainda estão em construção e serão entregues em 2014. O modelo já existe em complexos penitenciários de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraíba e Mato Grosso. “A ideia é tirar essas pessoas do convívio dos presos, porque havia denúncias de maus tratos, além da necessidade de oferecer a elas um tratamento apropriado”, explicou o subsecretário de Administração Prisional de Minas, Murilo Andrade. A ala LGBTs no Presídio de São Joaquim de Bicas, em Minas, existe desde 2009. A chefe da Coordenadoria Especial de Políticas de Diversidade Sexual do estado, Walkíria La Roche, afirma que trata-se também de uma questão de saúde. Segundo ela, os homossexuais e travestis abusados sexualmente nas prisões acabam contraindo doenças sexualmente transmissíveis (DST) e, consequentemente, transmitindo a outros homens no ambiente carcerário. “É muito comum no nosso país que essas pessoas sejam usadas como moeda de troca nos presídios. Não há preocupação com a transmissão de DST. E como os homens, depois, recebem visita íntima, pode causar uma epidemia”, declarou. Informações da Agência Brasil.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário