ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumadense ganha R$ 10 mil em sorteio do Nota Premiada Bahia

Eleições: Apresentadores e comentadores devem ser afastados de programas de rádio e TV

Deputado xinga prefeito Eduardo Vasconcelos de 'safado e ladrão' em evento de Bolsonaro em Feira

Empresária Perinalva Dias celebra aniversário entre clientes, amigos e familiares

Bahia registra 3.720 novos casos de Covid-19 e mais 6 óbitos em 24h

Chegou em Brumado, Auto Diesel: O melhor preço da Bahia!

Etanol se desvincula de gasolina e já é vendido abaixo de R$ 4,00 em alguns Estados

Complexo solar de 144 hectares será instalado no município de Caetité

Brasil e Argentina farão acordo para homologação de veículos

Livramento de Nossa Senhora volta a registrar óbito por conta da Covid-19

2,7 milhões de famílias ainda aguardam na fila de espera do Auxílio Brasil

Duas baians suspeitas de tráfico internacional de drogas são presas na Tailândia

Caetité: Prefeitura pede uso de máscaras em locais fechados após aumento de Covid

Brumado: Briga de moradores de rua quase termina em morte

Tema Livre Podcast 'Com Elas' entrevista a Major Leila Silva

Prazo de entrega da declaração anual do MEI termina hoje (30)

Final do Campeonato Brumadense terá arbitragem cedida pela Federação Baiana de Futebol

Gás de cozinha fica mais caro na Bahia a partir desta sexta

Possíveis pedras preciosas são apreendidas no interior da Bahia

Motociclista é preso em flagrante por embriaguez na Chapada Diamantina


Planalto busca voto de confiança no mercado

O primeiro movimento do Banco Central (BC) após a reeleição da presidente Dilma Rousseff parece o início de uma tentativa do Planalto de agora buscar um voto de confiança do mercado. Na busca pela reaproximação, a surpreendente alta de 0,25 pontos percentual da Selic na quarta-feira, levando o juro básico da economia para 11,25% ao ano, fez ontem o dólar cair com força e a bolsa fechar com avanço expressivo.

 

A decisão do BC foi interpretada por economistas e agentes do setor financeiro como um sinal de que, a partir de agora, a prioridade é recuperar a credibilidade, começando pelo controle da inflação. – O governo tentou criar a percepção de que, neste segundo mandato (de Dilma), terá uma política econômica mais ajustada e que vai fazer o necessário para fazer a economia voltar aos trilhos – avalia a economista Alessandra Ribeiro.

 

Consultoria, lembrando que a alta foi inesperada não por ser desnecessária, mas porque não foi indicada pelo BC. Como a pressão inflacionária tende a permanecer em 2015, puxada principalmente pelo represamento de preços administrados, a tendência é de novas altas no juro básico. A medida é considerada necessária, apesar de reduzir ainda mais o lento ritmo de retomada da atividade econômica, após dois trimestres de PIB negativo que jogaram o Brasil em uma recessão técnica.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário