ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

CIB recomenda retomada imediata da vacinação de adolescentes na Bahia

Brumado: Denúncia contra vereador 'Nem' pede cassação do seu mandato na Câmara

Bahia: Estado tem mais de 1,5 milhão de títulos eleitorais cancelados

Setembro Amarelo - um simples abraço pode salvar uma vida

Brumado: Cabeceira de ponte que liga Centro ao bairro São Felix, cede e preocupa motoristas

Especialistas consideram remota possibilidade de tsunami atingir a costa da Bahia

Brumado: AUCIB convoca associados para assembléia de eleição da nova diretoria

Com ajuda de cão farejador, PRF apreende quase 3 toneladas de maconha em Vitória da Conquista

Anvisa mantém orientação sobre vacinação de adolescentes e contraria determinação do MS

Brumado já registrou 400 furtos de placas de sinalização de trânsito, diz SMTT

Ministério da Saúde suspende por cautela vacinação para adolescentes de 12 a 17 anos

Bahia: Caetité, Jacobina e Itagibá reuniram 51% da produção mineral em agosto

Em audiência pública, Prefeitura apresenta proposta do Orçamento 2022

Brumado: Horta comunitária vira exemplo de inclusão social e produtiva em Pedra Preta

Itapetinga: Polícia recupera animais furtados avaliados em mais de R$ 100 mil

Coruja branca aparece no centro de Brumado e é resgatada por populares

Relatório mostra efeito da pandemia no mercado de shows no Brasil

Vacinação contra Covid segue para pessoas com 17 anos ou mais em Brumado

Dia 'D' da Campanha Antirrábica será no próximo sábado (18)

Brumado: Casos ativos de Covid-19 continuam caindo no município


Planalto busca voto de confiança no mercado

O primeiro movimento do Banco Central (BC) após a reeleição da presidente Dilma Rousseff parece o início de uma tentativa do Planalto de agora buscar um voto de confiança do mercado. Na busca pela reaproximação, a surpreendente alta de 0,25 pontos percentual da Selic na quarta-feira, levando o juro básico da economia para 11,25% ao ano, fez ontem o dólar cair com força e a bolsa fechar com avanço expressivo.

 

A decisão do BC foi interpretada por economistas e agentes do setor financeiro como um sinal de que, a partir de agora, a prioridade é recuperar a credibilidade, começando pelo controle da inflação. – O governo tentou criar a percepção de que, neste segundo mandato (de Dilma), terá uma política econômica mais ajustada e que vai fazer o necessário para fazer a economia voltar aos trilhos – avalia a economista Alessandra Ribeiro.

 

Consultoria, lembrando que a alta foi inesperada não por ser desnecessária, mas porque não foi indicada pelo BC. Como a pressão inflacionária tende a permanecer em 2015, puxada principalmente pelo represamento de preços administrados, a tendência é de novas altas no juro básico. A medida é considerada necessária, apesar de reduzir ainda mais o lento ritmo de retomada da atividade econômica, após dois trimestres de PIB negativo que jogaram o Brasil em uma recessão técnica.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário