ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Homem morre em confronto com policiais na Chapada Diamantina

TRE da Bahia volta exigir obrigatoriedade de uso de máscaras em suas dependências

Postos SAC na capital e interior fecham na sexta-feira (24) e sábado (25)

Bahia: Carreta pega fogo populares saqueiam carga na BR-116

Com 40 casos hospitalares em 22 dias, Sesab alerta para risco de queimaduras nos festejos juninos

Atendimento do INSS ficará suspenso durante o feriado de São João na Bahia

Receita alerta para golpes envolvendo a regularização de CPF

Tanhaçu: Motociclista fica ferido após atropelar animal na BA-142

Covid-19: Casos ativos chegam a 5,2 mil na Bahia e estado registra nove mortes em 24h

Câmara Municipal de Vereadores de Brumado recebe representante do Tiro de Guerra

Psicólogo da Clínica Mais Vida fala sobre a Logoterapia e a superação dos traumas emocionais

Bahia deve receber 69 novos parques eólicos até 2026

Brumado: Prefeitura divulga atrações para o São Pedro dos Olhos D'água

Operação prende quatro pessoas envolvidas com crimes de pirataria virtual na Bahia

Caetité: Câmara abre CPI para investigar denúncias contra o prefeito

Brumado: Decreto proíbe venda de fogos de artifício em local não autorizado

Receita Federal deixa de exigir autenticação de documentos

São João com frutas e verduras é na Bete Fruits

Após abrir processo administrativo contra colega, procuradora é agredida no interior de São Paulo


Prefeito na Bahia condenado a 10 anos de cadeia

O prefeito de Sento Sé Ednaldo Barros (PSDB) foi sentenciado nesta quinta-feira, 23, pela 2ª Câmara do Tribunal de Justiça a cumprir dez anos e três meses de reclusão. Segundo informações do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), o prefeito foi condenado por desviar recursos públicos.

 

Ednaldo foi eleito em 2009 e reeleito em 2012. Ele também já havia sido prefeito de 1997 a 2003. Ainda de acordo com o MP-BA, Ednaldo desviou recursos por meio de aquisições fraudulentas de móveis escolares e materiais de limpeza realizadas em 1998 e acobertadas com notas fiscais "frias".

 

Além do tempo de reclusão, a sentença prevê ainda perda do cargo, afastamento imediato das funções, inelegibilidade por oito anos e inabilitação para o exercício do cargo público por cinco anos. A condenação teve como base duas ações penais ajuizadas pelo Núcleo de Investigação de Crimes Atribuídos a Prefeitos (CAP) do MP-BA.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário