ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conquista: Comerciante é preso vendendo celulares com restrição de roubo

Bahia receberá primeira Copa Indígena de Futebol

Empresa brumadense está entre as classificadas para o Prêmio BBM de Logística 2021

Caminhoneiros acusam ministro de se empenhar para desarticular greve

Itapetinga: Homem é preso suspeito de se passar por funcionário de bancos e aplicar golpes de mais de R$ 50 mil

Brumado: Moradores da rua Bocaiuva reclamam que coleta não está sendo realizada e lixo se acumula pela rua

Novo decreto que vai liberar 50% da capacidade dos estádios na Bahia

Brumado: Moradores da Rua Princesa Leopoldina rompem manilha de esgoto após alagamento de casas

Brumado: Moradores reclamam de criação de porcos perto de residências no bairro São Felix

Brumado: Câmara recua e não vota proposta para volta das máscaras de proteção

Conquista: Acidente entre carro de passeio e carreta deixa quatro mortos

Senhor do Bonfim: Operação prende empresário considerado 'príncipe do tráfico'

Após reivindicação da vereadora Verimar, operação 'Água Potável' é iniciada em Brumado

Petrobras sobe novamente preços da gasolina e do diesel

Brumado: OAB vai acionar prefeito na Justiça após decreto que liberou uso de máscaras

Brumado: Colisão lateral entre veículo de passeio e moto deixa dois feridos na BA-148

Motociclista de 42 anos morre em acidente na BA-148

Brumado: Venha conhecer a loja Império Utilidades

Obras da Fiol entre Ilhéus e Caetité vai gerar até 60 mil novos empregos

Tem novidade na Gel Sol, sua representante Intelbras na Bahia


Prefeito na Bahia condenado a 10 anos de cadeia

O prefeito de Sento Sé Ednaldo Barros (PSDB) foi sentenciado nesta quinta-feira, 23, pela 2ª Câmara do Tribunal de Justiça a cumprir dez anos e três meses de reclusão. Segundo informações do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), o prefeito foi condenado por desviar recursos públicos.

 

Ednaldo foi eleito em 2009 e reeleito em 2012. Ele também já havia sido prefeito de 1997 a 2003. Ainda de acordo com o MP-BA, Ednaldo desviou recursos por meio de aquisições fraudulentas de móveis escolares e materiais de limpeza realizadas em 1998 e acobertadas com notas fiscais "frias".

 

Além do tempo de reclusão, a sentença prevê ainda perda do cargo, afastamento imediato das funções, inelegibilidade por oito anos e inabilitação para o exercício do cargo público por cinco anos. A condenação teve como base duas ações penais ajuizadas pelo Núcleo de Investigação de Crimes Atribuídos a Prefeitos (CAP) do MP-BA.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário