ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Vila Nova vence Magnesita e leva o título do Campeonato Brumadense 2022

Cresce desinteresse do eleitor brasileiro pelo voto, aponta pesquisa

Psicólogo da Clínica Mais Vida fala sobre o sentido da vida segundo Viktor Frankl

Amado Batista leva multidão em show no São Pedro de Guajeru

Avião cai e assusta moradores na Chapada Diamantina

Sessão ordinária desta segunda-feira (4/07) tem aprovação de textos importantes à comunidade brumadense

Jovem de 16 anos é morto a tiros dentro da rodoviária de Vitória da Conquista

Humorista do SBT faz piada de criança com hidrocefalia e é demitido da emissora

Prefeitos de todo o país vão a Brasília em manifestação contra propostas do governo federal

Preço do botijão de cozinha nas refinarias aumentou mais de 600% entre 2002 e 2021

Caminhão desgovernado tomba em frente a rodoviária da região e deixa motorista ferido

Tanhaçu: Homem de 38 anos morre após levar choque em freezer

Casos de Covid sobe e Brumado volta a registrar óbito por conta da doença

Guanambi: Retorno das aulas na rede municipal é adiado por causa de casos de Covid-19

PM mata irmã após discussão e é presa pelo próprio marido no RJ

Casos de varíola dos macacos chegam a 76 em todo o país, diz Ministério da Saúde

Negros são a maioria das vítimas de crimes violentos no Brasil, mostra levantamento

Bahia registra 3.480 novos casos de Covid e mais cinco mortes em 24h

Lutando pelo título do Campeonato Brumadense, Magnesita e Vila Nova se enfrentam neste domingo (3)

Anagé: Motociclista de 27 anos fica ferido após acidente na BA-262


Brumado: Decreto proíbe venda de fogos de artifício em local não autorizado

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

No último dia 20 de junho, a Prefeitura Municipal de Brumado emitiu um decreto proibindo a venda de fogos de artifício em locais não autrizados. Surpresos com a decisão, vendedores da região do Mercado Municipal, criticaram a decisão do prefeito Eduardo Lima Vasconcelos. Ao site 97NEWS, os ambulantes disseram que eles trabalham na localidade há vários anos. “Todo mundo aqui tem contas a pagar. Aproveitamos esse período pra fazer um extra”, disse um dos ambulantes. Eles ainda aproveitaram para dizer ao gestor que a prefeitura poderia se organizar e cobrar dos ambulantes um imposto para utilização da área, bem como oferecer aos mesmos um curso de segurança para manipular os fogos. “Eles poderiam se organizar e colocar a gente aqui ao lado do casebre. O prefeito só precisa olhar com bons olhos e ter cuidado com o trabalhador. Aqui todo mundo tem responsabilidade”, destacou. Os ambulantes têm até 72 horas para deixarem o local.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário