ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Em reunião com Bolsonaro, prefeitos baianos exigem compensação de R$ 73 bilhões

Distrito Federal registra primeiro caso de raiva humana desde 1978

Brumado: Presidente da Câmara diz que foi ameaçada após liberar tribuna para deputado

Acusados de feminicídio podem ser obrigados a pagar despesas do INSS

Vila Nova vence Magnesita e leva o título do Campeonato Brumadense 2022

Cresce desinteresse do eleitor brasileiro pelo voto, aponta pesquisa

Psicólogo da Clínica Mais Vida fala sobre o sentido da vida segundo Viktor Frankl

Amado Batista leva multidão em show no São Pedro de Guajeru

Avião cai e assusta moradores na Chapada Diamantina

Sessão ordinária desta segunda-feira (4/07) tem aprovação de textos importantes à comunidade brumadense

Jovem de 16 anos é morto a tiros dentro da rodoviária de Vitória da Conquista

Humorista do SBT faz piada de criança com hidrocefalia e é demitido da emissora

Prefeitos de todo o país vão a Brasília em manifestação contra propostas do governo federal

Preço do botijão de cozinha nas refinarias aumentou mais de 600% entre 2002 e 2021

Caminhão desgovernado tomba em frente a rodoviária da região e deixa motorista ferido

Tanhaçu: Homem de 38 anos morre após levar choque em freezer

Casos de Covid sobe e Brumado volta a registrar óbito por conta da doença

Guanambi: Retorno das aulas na rede municipal é adiado por causa de casos de Covid-19

PM mata irmã após discussão e é presa pelo próprio marido no RJ

Casos de varíola dos macacos chegam a 76 em todo o país, diz Ministério da Saúde


Briga entre vizinhos por conta de galo que cantava ‘Bolsonaro’ termina em morte

Foto: Divulgação

Um homem de 52 anos foi preso na última sexta-feira (29), acusado de matar um vizinho depois de uma briga por causa de um galo, em Petrópolis, no interior do Rio. Segundo informações da Polícia Civil carioca, o homem morto acreditava que o animal cantava o nome do presidente Jair Bolsonaro. Segundo as investigações, Marcos Custódio Ferreira atirou contra Ricardo Carneiro Montojos na manhã de 4 de setembro próximo à entrada do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Quando ele já estava no chão, usou uma pedra de cerca de 8 kg para atingir a cabeça da vítima, que morreu na hora. Depois de contratar um advogado, o suspeito foi à delegacia da cidade para prestar esclarecimentos. De acordo com a polícia, ele confessou o assassinato e afirmou que agiu por rixas antigas por causa do galinheiro que havia em seu terreno. O homem contou que Montojos alegava que ele havia ensinado seu galo a dizer a palavra "Bolsonaro" por implicância, uma vez que a vítima não gostava do presidente  O suspeito foi preso após a Justiça expedir um mandado de prisão preventiva e responderá por homicídio qualificado.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário