ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Nova frente fria se intensifica no Sudoeste da Bahia; Brumado registrou 10ºC na madrugada de hoje (29)

Homem é condenado a 30 anos de prisão por matar garota a pauladas na Bahia

Legislativo aprova indicações e moção de aplausos e congratulações; saiba mais

Bahia tem alta na geração de empregos em maio

Paramirim: Dinheiro falso é apreendido pela Polícia na agência dos Correios

Mortes violentas caem 6% no Brasil em 2021, aponta anuário

Governo sanciona lei que devolve PIS/Cofins cobrado na conta de luz

Produção Mineral Baiana Comercializada cresce mais de 68% em maio de 2022

Mais de 40 pessoas são encontradas mortas em caminhão abandonado no Texas

Aposta da Bahia que ganhou quase R$ 18 milhões na quina de São João foi feita em um bolão

Oposição pede ao STF apreensão de celular da Petrobras que pode incriminar Bolsonaro

Guanambi: PM resgata mulher em condições de abandono e maus tratos na cidade

Preço da gasolina no Nordeste fecha primeira quinzena de junho acima da média nacional

Brumado: Morre João Souza, aos 80 anos, pai do editor do Achei Sudoeste

Aracatu: Vereadores denunciam prática de nepotismo na prefeitura

Caminhão é recuperado após identificação de roubo pelo sistema da RotSat

Em busca de votos, candidatos ao governo visitam mais de 20 municípios durante São João

Reconhecimento facial ajuda na captura de 12 foragidos nos festejos de São João na Bahia

Professor de 42 anos morre atropelado no município de Caculé

OMS diz que, 'no momento', varíola dos macacos não é uma emergência de saúde


Novo secretário descarta Plano B para Auxílio Brasil de R$ 400

Foto: Reprodução l Agência Brasil

A equipe econômica não tem um plano alternativo para viabilizar o Auxílio Brasil, com benefício mínimo de R$ 400 por família, caso a proposta de emenda à Constituição (PEC) que parcela os precatórios não seja aprovada pelo Congresso, disse o novo secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago. Ele afirmou que o Ministério da Economia não trabalha com a decretação de um estado de calamidade pública para executar recursos fora do teto de gastos. “O Ministério da Economia não trabalha com outra opção que não seja discussão do texto da PEC dos Precatórios”, disse Colnago, na primeira entrevista coletiva depois de assumir o cargo. Colnago tomou posse como secretário do Tesouro nesta semana, após a renúncia de Bruno Funchal, que pôs o cargo à disposição, junto com três secretários, por não concordar com a proposta da PEC de flexibilizar o teto de gastos. Em relação à folga de R$ 91,6 bilhões no teto de gastos em 2022 a ser aberta caso a PEC dos Precatórios seja aprovada, Colnago disse que sobrarão R$ 10 bilhões para recursos livres. Segundo o secretário, do espaço fiscal total a ser aberto: R$ 50 bilhões financiarão o benefício de R$ 400 do Auxílio Brasil e R$ 24 bilhões serão irão para a Previdência Social para garantir a reposição da inflação mais alta para aposentadorias, pensões e demais benefícios.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário