ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conquista: Comerciante é preso vendendo celulares com restrição de roubo

Bahia receberá primeira Copa Indígena de Futebol

Empresa brumadense está entre as classificadas para o Prêmio BBM de Logística 2021

Caminhoneiros acusam ministro de se empenhar para desarticular greve

Itapetinga: Homem é preso suspeito de se passar por funcionário de bancos e aplicar golpes de mais de R$ 50 mil

Brumado: Moradores da rua Bocaiuva reclamam que coleta não está sendo realizada e lixo se acumula pela rua

Novo decreto que vai liberar 50% da capacidade dos estádios na Bahia

Brumado: Moradores da Rua Princesa Leopoldina rompem manilha de esgoto após alagamento de casas

Brumado: Moradores reclamam de criação de porcos perto de residências no bairro São Felix

Brumado: Câmara recua e não vota proposta para volta das máscaras de proteção

Conquista: Acidente entre carro de passeio e carreta deixa quatro mortos

Senhor do Bonfim: Operação prende empresário considerado 'príncipe do tráfico'

Após reivindicação da vereadora Verimar, operação 'Água Potável' é iniciada em Brumado

Petrobras sobe novamente preços da gasolina e do diesel

Brumado: OAB vai acionar prefeito na Justiça após decreto que liberou uso de máscaras

Brumado: Colisão lateral entre veículo de passeio e moto deixa dois feridos na BA-148

Motociclista de 42 anos morre em acidente na BA-148

Brumado: Venha conhecer a loja Império Utilidades

Obras da Fiol entre Ilhéus e Caetité vai gerar até 60 mil novos empregos

Tem novidade na Gel Sol, sua representante Intelbras na Bahia


Com cesta básica consumindo até 47% do salário mínimo, brumadenses diminuem compras no supermercado

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Uma pesquisa feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) entre 2020 e 2021, o preço da cesta básica de alimentos chega a consumir 47,71% dos ganhos mensais das famílias com renda de um salário mínimo no Estado da Bahia. Em agosto deste ano, o governo federal enviou ao Congresso Nacional a proposta de um salário mínimo de R$ 1.169 para 2022. O valor é R$ 69 maior que o salário mínimo atual, de R$ 1.100, e representa uma alta pouco maior que 6,2%. No estado, a média de uma cesta básica custa em torno de R$ 485,00. Segundo a pesquisa, nos 12 meses até agosto de 2021, o preço da cesta subiu mais de 10% em todas as capitais pesquisadas pelo Dieese. Esse aumento nos alimentos também afeta o interior do Estado. Em Brumado, o site 97NEWS ouviu três pessoas de diferentes classes sociais. A aposentada Selma Cleide afirmou que assim que recebe a aposentadoria, sua preocupação é com as contas, em seguida o supermercado. "Eu já saio de casa pagando as contas essenciais e depois vou ao supermercado, e lá é que meu dinheiro acaba", conta. Pra ela, mesmo que haja uma proposta de um salário mínimo de quase R$ 1.200, com os preços em alta, o salário continua baixo. "A proposta dos governantes deveria ser em reduzir o preço das coisas, porque antes mesmo de anunciar o salário, as empresas colocam os preços dos produtos lá em cima", disse.

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Segundo a aposentada, o brasileiro consegue fazer mágica com o salário. "Tem uma mágica em cima disso tudo. Porque você ir ao supermercado, e conseguir comprar feijão, arroz, carne e outros itens nessa crise financeira é uma [mágica]", diz Cleide. A comerciante Shirley Cruz também destaca que a solução não é aumentar o salário mínimo. Como empresária, ela ressalta que uma proposta de um salário desejado por todos, pode gerar outra crise, a do desemprego. "Todos falam em um salário digno para o trabalhador, mas esquecem que isso pode gerar mais desemprego, porque a classe empresarial teria que demitir. Eu acho que a solução seria diminuir a porcentagem de lucro em cima de alguns produtos, como por exemplo: a gasolina que é grande vilão da economia do Brasil", disse. Já a lavradora Naílma Lima de Almeida, na qual ela e o marido não possuem uma renda mensal fixa, ou seja, não são assalariados, encontram mais dificuldades na hora de colocar a comida na mesa. "A nossa compra no supermercado depende muito do que eu e meu marido ganha por mês. Com os [bicos] que meu marido faz, consigo vir ao supermercado e comprar o básico", diz. 

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário