ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mãe tenta vender filho por R$ 400 e foge do hospital após parto

Brumado: Homem é preso após matar companheiro da ex-namorada com golpes de faca no bairro do Mercado

Planejamento das Eleições Gerais 2022 é debatido na sede do TRE-BA

Barra da Estiva: PM apreende seis carros com suspeita de serem clonados

CGU aponta R$ 2,6 bi em desvios do Farmácia Popular

Eleições no Clube Social de Brumado: Chapa 2 quer renovação e inclusão das mulheres na gestão

Estados dizem que cumpriram lei e vão recorrer no STF sobre ICMS no diesel

Em mais uma decisão, justiça suspende licitação que pretendia privatizar serviços de água e esgoto em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Neste domingo (15) haverá o fenômeno 'Lua de Sangue' triplamente especial

Sabadão! Tudo pronto para a festa 'Apaixona Brumado' no espaço Popeye Prime

STF suspende políticas estaduais sobre o ICMS do diesel a pedido do Governo Federal

Anvisa e Butantan se reúnem para tratar da CoronaVac para crianças

Idosa que passou 72 anos em situação análoga à escravidão é resgatada no rio no Rio

TSE conclui etapa de testes nas urnas eletrônicas sem encontrar falhas

PC desmonta quadrilha que roubou R$ 820 mil em joias e celulares no Oeste da Bahia

Veja os mais de 40 episódios do Tema Livre Podcast no nosso canal no Youtube


Corregedoria da PM reconstitui caso do soldado morto em Salvador

Foto: Divulgação

A Corregedoria Geral da Polícia Militar fez, neste domingo (20), a reprodução simulada do caso do soldado da PM Wesley Soares Góes, morto em 28 de março deste ano. O agente, que tinha 38 anos, morreu depois de ser baleado pela PM após atirar contra policiais na região do Farol da Barra, em Salvador. Ele era alocado no Batalhão de Itacaré, no sul da Bahia, e chegou à capital portando um fuzil com cinco cartuchos de munições e um revólver com 33 munições. Ao chegar ao ponto turístico, começou a atirar para cima, causando pânico. A reconstituição do caso estava prevista para começar às 14h, mas só teve início às 15h50. Segundo a Corregedoria da PM, a simulação dos fatos busca esclarecer as dúvidas surgidas no decorrer da investigação, especialmente sobre o posicionamento exato e conduta dos policiais militares envolvidos. As respostas para os questionamentos serão fornecidas por um órgão técnico, afastado das investigações, o que, de acordo com a PM, garante a lisura e transparência do processo.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário