ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Brumado: Homem com mandado de prisão em aberto recebe PM a tiros e fica ferido

Homem é preso por abusar das filhas de 11 e 15 anos em Santo Antônio de Jesus

Clínica Mais Vida amplia quadro de especialista em psiquiatria renovando parceria com Dr. Renato Franco

Brasil: Oposição investiga repasse de dinheiro federal para laboratórios produzirem hidroxicloroquina

Com vaga nas oitavas de final, Juazeirense já garante mais de R$ 5 milhões em premiação

Jaguaquara: Durante discussão, filha joga água fervente em mãe

Vereador Beto Bonelly parabeniza Brumado pelos 144 anos

Brumado: Município registra 20 novos casos de Covid-19 nas últimas 24h


Brumado: Tradição nas festas juninas, venda de licor pode superar a de 2020

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Pode até ser uma bebida do período de São João e durante todo o mês de junho, mas o licor -- seja ele de jenipapo, o mais tradicional --, é uma das bebidas que pode ser consumida durante todo o ano. Segundo os mais tradicionais, ela não tem preço e quem experimenta jamais esquece. E não é só em Brumado, mas em quase todos os municípios baianos, que o licor prevalece. No mês de junho, quando se mistura o frio e a tradição das fogueiras, também o mês que se comemora os três santos -- Santo Antonio, São João e São Pedro -- acaba criando um clima propício para quem quer apreciar essa bebida típica. Presente quase todos os lares da zona rural e até mesmo na cidade, o licor representa o próprio espírito da festa, e por isso mesmo, é preparado de forma artesanal. O 97NEWS conversou com uma das que mantém essa tradição na Capital do Minério, uma receita que vem de geração para geração. A comerciante Adriana Silva Souza diz que aprendeu a fazer a bebida com a sua mãe. "Há cerca de vinte anos eu vinha acompanhando minha mãe, que já faleceu, nessa produção da bebida no período junino e, continuei até hoje", diz. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Beber um licor junino é para quem gosta de bebidas fortes. O teor alcoólico supera em muito o da cerveja e das chamadas bebidas quentes. Para Adriana, havia uma grande expectativa nas vendas de 2020, mas o que foi superado com a grande procura pelos consumidores. "Com a pandemia, eu achava que não iria sair muito, mas foi muito bom e vendi tudo", disse. Já para este ano, ela conta que espera que 2021, as vendas superem o ano anterior. "Eu espero que sim, tudo indica que vai ser bom", disse Souza. De acordo com a comerciante, os licores tradicionais ainda saem muito, mas o consumidor sempre tem buscado por novos sabores. "Aqui sai muito de café, chocolate, doce de leite, musse de maracujá, mas os tradicionais ainda vendem muito como o de jenipapo que não pode faltar", afirma. Conforme ela, o melhor mesmo é aproveitar os festejos juninos com a família. "É um momento de pandemia, então o bom é curtir com a mesa farta que costuma ser tradição do período junino, à base de bolos, canjica, pamonha, doces em geral, amendoim cozido e a leitoa assada. Mas sem aglomeração", comenta Adriana. O preparo do licor caseiro segue sempre uma receita de família. Pode ser feito da forma mais tradicional, com álcool e a fruta em infusão até ficar completamente mais cremosa. Neste caso, a receita varia de família em família, mas inclui o açúcar e, em alguns casos, leite condensado.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário