ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Petrobras sobe novamente preços da gasolina e do diesel

Brumado: OAB vai acionar prefeito na Justiça após decreto que liberou uso de máscaras

Brumado: Colisão lateral entre veículo de passeio e moto deixa dois feridos na BA-148

Motociclista de 42 anos morre em acidente na BA-148

Brumado: Venha conhecer a loja Império Utilidades

Obras da Fiol entre Ilhéus e Caetité vai gerar até 60 mil novos empregos

Tem novidade na Gel Sol, sua representante Intelbras na Bahia

Após EUA transplantar rim de porco para paciente com morte cerebral, Brasil deve iniciar testes

Conheça o kit 'Barriga Tanquinho' de Marcelo Esportes

Governo Federal diz que não interferirá em preços de combustíveis

A Pax Nacional tem credibilidade e compromisso comprovado, não aceite imitações

Governo da Bahia assina contrato de R$ 53 mi para colocar presídio de Brumado em funcionamento

RotSat: Conheça o nosso site com 'Menu' de acesso rápido

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Homem apontado como mandante da morte de médico em Barra se entrega à polícia

Bahia: Chuvas ajudam na redução de incêndios florestais na Chapada Diamantina

Operação constata desmatamento ilegal em cerca de 589 hectares na Bahia

Trem carregado com cimento descarrila em área residencial de Brumado

Brumado: Mulher que tentou matar a filha envenenada com chumbinho foi presa após condenação da Justiça


Com uma campanha de imunização lenta, Brasil diz que poderá fornecer vacinas a países mais pobres

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Mesmo sob investigações sobre propostas para a compra de vacinas que foram ignoradas e com problemas para manter a produção de doses, o governo brasileiro afirmou na Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta terça-feira (25), que o país pode fornecer vacinas a nações mais pobres. O discurso dos representantes do Itamaraty foi realizado no segundo dia da Assembleia Mundial da Saúde, encontro que dita estratégias de combate ao coronavírus. As informações são de Jamil Chade, do UOL. "O Brasil está pronto para contribuir aos esforços globais contra a Covid-19, por meio do fornecimento de doses de vacinas produzidas localmente", disse a delegação brasileira. Durante o encontro não foi mencionado quando isso poderia ocorrer e nem como esse fornecimento seria feito. Na última semana, Fiocruz e Instituto Butantan ficaram sem insumos para continuar a produção das vacinas, o que atrasou a segunda dose em vários estados do país. "Hoje, nossa maior esperança para permitir o retorno gradual e seguro à normalidade é a ampla vacinação. Até o momento, o SUS já distribuiu mais de 90 milhões de doses de vacinas e vacinou mais de 55 milhões de pessoas, dentre as quais mais de 80% de indígenas", disse o ministro Marcelo Queiroga. Conforme número divulgado pelo consórcio de veículos de imprensa, são 41,9 milhões de brasileiros que receberam pelo menos uma dose de imunizante. Até o momento, 20,6 milhões de pessoas foram beneficiadas por duas doses.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário