ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

'Entre o Carnaval e a vida dos baianos, eu fico com a vida e saúde dos baianos' diz Rui Costa

Vereadora Verimar do Sindicato, em audiência com o secretário da SERIN, discute proposta para asfalto que liga Brumado ao Distrito de Terra Vermelha

Brasil: 75% das famílias têm dívidas, aponta Mapa do endividamento

Ministério da Saúde oferece mais de 21 mil vagas para Médicos pelo Brasil

Judiciário da Bahia inaugura varas em duas cidades baianas

Novas regras da Tarifa Social devem beneficiar mais de 11 milhões de pessoas

Polícia extermina plantação com mais de 18 mil pés de maconha em Curaçá

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Brumado: Divulgado o calendário de funcionamento do comércio no mês de dezembro

Mês de novembro apresentou menor número de mortes violentas na Bahia

Região Nordeste concentra quase metade das pessoas em situação de miséria, aponta IBGE

Nordeste: Comitê Científico do Consórcio recomenda cancelamento de Réveillon e Carnaval

Brumado: Após passar pela Secretaria Municipal de Esportes, Paulo Sérgio volta a presidência da LBF

Agência é explodida em Iguaí, Sudoeste do Estado


Brumado: Mulher fere companheira com golpes de facão durante discussão no bairro Bom Jesus

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Uma mulher é suspeita de ferir a companheira com golpes de facão durante uma discussão na residência do casal, no bairro Bom Jesus, em Brumado, na noite de sábado (24). A vítima afirma que o desentendimento foi causado por ciúmes da suspeita. Conforme Euza Maria Ribeiro, ela havia consumido bebida alcoólica com vizinhas da rua e, ao chegar em casa, ouviu uma discussão entre a sua companheira e amigos. "Minha colega estava na casa com outro amigo, foi quando ela [agressora] chegou e viu que era um ex-cunhado, e os dois começaram a discutir. Ouvindo os gritos, fui até a residência e perguntei o que estava havendo, foi quando recebi o golpe de facão na cabeça", disse Maria. De acordo com a vítima, ela convivia com a agressora a cerca de quatro anos, e relatou ainda que durante a convivência elas discutiam muito, mas nunca chegaram à agressões físicas. "A gente sempre tinha briga como todo casal tem, mas a de sábado [24] a noite foi o fim", comentou. Ribeiro disse que já foi casada por cerca de 22 anos com um homem, no qual teve dois filhos. Ao se separar, conheceu a atual companheira e passaram a morar juntas. "Sempre fui uma mulher trabalhadeira, nunca cheguei a esta situação, todo mundo me conhece", diz. 

 

Euza levou sete pontos na cabeça - Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Euza Maria afirmou que o relacionamento começou a se desgastar após ela descobrir que a companheira havia conhecido uma outra mulher do estado de São Paulo pela internet. "Eu sempre via ela no celular conversando com essa pessoa, mas nunca falei nada, ficava chateada mas me resguardava. E hoje só porque eu bebia com minhas colegas ela faz isso comigo", argumentou. Maria acionou a Polícia Militar e foi socorrido ao hospital. No domingo (25) pela manhã, ela registrou um Boletim de Ocorrência. Em entrevista ao 97NEWS, o delegado da 20ª Coorpin, Fábio Lago, esclareceu que, mesmo se tratando de um caso entre um casal homoafetivo, a agressora pode responder pela Lei Maria da Penha. "É bom que se esclareça que mesmo sendo uma relação homoafetiva, é sim enquadrada na Lei Maria da Penha, a 11.340/2006, ou seja uma mulher no momento em que agride a sua companheira em uma relação homoafetiva, ela também se enquadra na Lei", afirmou Lago. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário