ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Petrobras sobe novamente preços da gasolina e do diesel

Brumado: OAB vai acionar prefeito na Justiça após decreto que liberou uso de máscaras

Brumado: Colisão lateral entre veículo de passeio e moto deixa dois feridos na BA-148

Motociclista de 42 anos morre em acidente na BA-148

Brumado: Venha conhecer a loja Império Utilidades

Obras da Fiol entre Ilhéus e Caetité vai gerar até 60 mil novos empregos

Tem novidade na Gel Sol, sua representante Intelbras na Bahia

Após EUA transplantar rim de porco para paciente com morte cerebral, Brasil deve iniciar testes

Conheça o kit 'Barriga Tanquinho' de Marcelo Esportes

Governo Federal diz que não interferirá em preços de combustíveis

A Pax Nacional tem credibilidade e compromisso comprovado, não aceite imitações

Governo da Bahia assina contrato de R$ 53 mi para colocar presídio de Brumado em funcionamento

RotSat: Conheça o nosso site com 'Menu' de acesso rápido

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Homem apontado como mandante da morte de médico em Barra se entrega à polícia

Bahia: Chuvas ajudam na redução de incêndios florestais na Chapada Diamantina

Operação constata desmatamento ilegal em cerca de 589 hectares na Bahia

Trem carregado com cimento descarrila em área residencial de Brumado

Brumado: Mulher que tentou matar a filha envenenada com chumbinho foi presa após condenação da Justiça


Brumado: Com bacalhau mais caro, tilápia deve ganhar espaço na mesa da Semana Santa

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Em situação diferente de diversos outros alimentos, como a carne bovina, que tiveram fortes aumentos, os peixes de criação estão com os preços praticamente estáveis, semelhantes aos vistos em 2020. A exceção é para os importados, que sofrem influência da alta do dólar, afirmam vendedores do setor. Diante da situação, a expectativa é de que produtos tradicionalmente mais consumidos na época da Páscoa, como o bacalhau, tendem a perder espaço na mesa do brumadense para outras opções. Para o empresário Lucas Dias Pereira, a tradição será mantida, mas em baixo custo por conta. Ainda segundo ele, com a família em isolamento social, a Sexta-Feira Santa será sem aglomeração. "Mesmo sendo um momento em família, ou seja, relembramos o dia em que Jesus Cristo morreu crucificado, devemos manter a distância por conta da doença", afirma. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Carmem Meira, dona de uma peixaria no Mercado Municipal há cerca de 15 anos ressalta que a variedade de peixes reduziu por conta da seca no nordeste. Entre as alternativas, a tilápia, que representa 60% das vendas, ela conta que o pescado deve ser protagonista na mesa da Semana Santa dos brumadenses. "O preço é o principal fator. A tilápia varia de R$ 6,50 a R$ 8 o quilo, enquanto o bacalhau está com o quilo variando de R$ 46 a R$ 106", diz. A expectativa da vendedora, é de um aumento de 10% a 13% nas vendas de tilápia durante o período. “Esse ano, a opção do pescado e do peixe de cultivo foi mais por questão de preço do que religiosa”, afirma Meira.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário