ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Homem morre em confronto com policiais na Chapada Diamantina

TRE da Bahia volta exigir obrigatoriedade de uso de máscaras em suas dependências

Postos SAC na capital e interior fecham na sexta-feira (24) e sábado (25)

Bahia: Carreta pega fogo populares saqueiam carga na BR-116

Com 40 casos hospitalares em 22 dias, Sesab alerta para risco de queimaduras nos festejos juninos

Atendimento do INSS ficará suspenso durante o feriado de São João na Bahia

Receita alerta para golpes envolvendo a regularização de CPF

Tanhaçu: Motociclista fica ferido após atropelar animal na BA-142

Covid-19: Casos ativos chegam a 5,2 mil na Bahia e estado registra nove mortes em 24h

Câmara Municipal de Vereadores de Brumado recebe representante do Tiro de Guerra

Psicólogo da Clínica Mais Vida fala sobre a Logoterapia e a superação dos traumas emocionais

Bahia deve receber 69 novos parques eólicos até 2026

Brumado: Prefeitura divulga atrações para o São Pedro dos Olhos D'água

Operação prende quatro pessoas envolvidas com crimes de pirataria virtual na Bahia

Caetité: Câmara abre CPI para investigar denúncias contra o prefeito

Brumado: Decreto proíbe venda de fogos de artifício em local não autorizado

Receita Federal deixa de exigir autenticação de documentos

São João com frutas e verduras é na Bete Fruits

Após abrir processo administrativo contra colega, procuradora é agredida no interior de São Paulo


Brumado: Com bacalhau mais caro, tilápia deve ganhar espaço na mesa da Semana Santa

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Em situação diferente de diversos outros alimentos, como a carne bovina, que tiveram fortes aumentos, os peixes de criação estão com os preços praticamente estáveis, semelhantes aos vistos em 2020. A exceção é para os importados, que sofrem influência da alta do dólar, afirmam vendedores do setor. Diante da situação, a expectativa é de que produtos tradicionalmente mais consumidos na época da Páscoa, como o bacalhau, tendem a perder espaço na mesa do brumadense para outras opções. Para o empresário Lucas Dias Pereira, a tradição será mantida, mas em baixo custo por conta. Ainda segundo ele, com a família em isolamento social, a Sexta-Feira Santa será sem aglomeração. "Mesmo sendo um momento em família, ou seja, relembramos o dia em que Jesus Cristo morreu crucificado, devemos manter a distância por conta da doença", afirma. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Carmem Meira, dona de uma peixaria no Mercado Municipal há cerca de 15 anos ressalta que a variedade de peixes reduziu por conta da seca no nordeste. Entre as alternativas, a tilápia, que representa 60% das vendas, ela conta que o pescado deve ser protagonista na mesa da Semana Santa dos brumadenses. "O preço é o principal fator. A tilápia varia de R$ 6,50 a R$ 8 o quilo, enquanto o bacalhau está com o quilo variando de R$ 46 a R$ 106", diz. A expectativa da vendedora, é de um aumento de 10% a 13% nas vendas de tilápia durante o período. “Esse ano, a opção do pescado e do peixe de cultivo foi mais por questão de preço do que religiosa”, afirma Meira.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário