ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Palmeiras vence Flamengo na prorrogação e conquista 3º título da Libertadores

Brumado: Calçamento cede e caminhão fica com a roda presa no buraco no bairro Baraúnas

Caetité: Município volta registrar morte por Covid-19; uma mulher de 78 anos

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

Brumado: SESOC discuti criação o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher

'Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown', diz Presidente

27 de Novembro - Dia Nacional de Combate ao Câncer alerta para a prevenção da doença

Caculé: Família procura por advogado de 47 anos que está desaparecido

Suspeito de estuprar mulher após simular sessão espiritual é preso na Bahia

PMs são acusados de extorquir R$ 200 mil de família de ciganos

Criado em 1979, Tiro de Guerra de Brumado completa 42 anos

Brumado: Mais bancários, menos filas; Sindicato denuncia demissões nas agências bancárias do Sudoeste

Sem considerar pandemia, expectativa de vida do brasileiro sobe para 76,8 anos

Episódio #004 Tema Livre Podcast está imperdível com o radialista Kaká.

Sindicato dos bancários garante mais uma reintegração no Bradesco

Brumado: Blitz educativa da SMTT orienta condutores sobre o uso do cinto de segurança e 'jugular' no capacete

Colaboradores da Maxxnet doam sangue no Hemoba de Brumado

Brumado: Inadimplentes podem procurar agência dos Correios para o 'Feirão Limpa Nome'

Pai é preso por dever R$ 14 mil de pensão alimentícia na Bahia

Especialistas sugerem fiscalização extra nas urnas eletrônicas para combater fake news


Brumado: Cabos e fios soltos preocupam moradores do bairro São José

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A enorme quantidade de fios caídos em calçadas e ruas de Brumado tem preocupado os moradores da cidade. Todos temem que alguém possa se ferir ao tocar as fiações, de telefonia e de fibra ótica. Por onde se anda na Capital do Minério, nos bairros ou no centro, pode se ver fiações caídas ou soltas. No bairro São José, segundo o morador Alexandre Silva, existem fiações soltas em diversos locais, na porta de escola e em frente aos comércios. “Tem fiação caída há mais de um ano e meio e ninguém toma as devidas providências. Um idoso, um adulto e até crianças podem morrer eletrocutadas se esbarrar nessas fiações. Alguém tem que tomar alguma providência”, cobrou. Como são tantos fios caídos pela cidade, alguns moradores ou comerciantes, fazem “gambiarras” para manter a fiação numa altura que não coloque em risco as pessoas. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Na Rua Sandra Batista no bairro São José, os moradores tiveram que improvisar uma sinalização com sacolas para que motociclistas não sofram acidentes com fios dependurados. "Desde ontem [24] meio dia que esse fio ta assim aqui, já afetou até a iluminação do poste, que não acende mais", conta. Para passar com o seu veículo, Neto Silva teve que segurar o fio com uma das mãos na Rua Padre Cicero. "Isso aqui é uma das necessidades que o bairro vem sofrendo. Se um motociclista passar correndo aqui e não ver esse fio, ele vai sofre um acidente", disse o morador. 

 



Comentários

  • J. Cícero Alves

    "Já houve outras situações parecidas com essa em que a população brumadense pedia uma solução , e as autoridade competentes demoraram a resolver. Na ocasião, postamos um comentário condenando a demora para se atender ao clamor da população. O fato é que não há razão para inércia da administração pública na solução dos problemas que afetam a população, quando a demora na resolução do caso põe em risco a integridade física e a própria vida das pessoas. Devido aos transtornos causados a condutores e pedestres em razão dos contratempos que enfrentam e perigos a que estão expostos conforme relatados na reportagem em questão, é necessário que o poder público se faça presente ao local com seus técnicos e equipamentos para resolver o problema que precisa, como se pode ver, de uma solução urgente. Os munícipes recolhem mensalmente uma infinidade de tributos e tarifas, esperando receber em contrapartida serviços públicos de qualidade, incluindo ruas e avenidas em bom estado de uso e conservação, com manutenção periódica das instalações públicas de qualquer natureza, a fim de que condutores e transeuntes possam nelas trafegar sem precisarem arriscar suas vidas, como ocorre com os que passam todos os dias pelos trechos das vias públicas referidas na matéria jornalística em comento. O caso demanda urgência. Trata-se de uma situação de perigo iminente, que coloca em risco a vida da população. Ou será que as autoridades competentes preferem esperar que primeiro aconteçam ali mortes para só depois resolver o problema ??!! "

Deixe seu comentário