ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Bahia: Homem é detido ao ir cumprimentar amigos em bar após testar positivo para Covid-19

Bares e restaurantes de Livramento de Nossa Senhora e Rio de Contas registram aglomerações

Ótica Stéfany, armação com preço único

Acelerador de partículas do Brasil produz a primeira imagem do novo coronavírus

Bahia chegou a 105 mil casos e 2.483 mortes por coronavírus no domingo

Comunicado Pax Nacional

PSOL entra com queixa crime contra Bolsonaro por atuação na pandemia

Covid-19: Brasil registra mais de 24 mil novos casos em 24h; óbitos superam 72 mil

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Brumado registra 263 casos da Covid-19 e 209 pacientes curados; dois estão hospitalizado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Caminhão tomba em ribanceira e deixa feridos em Conquista

Brumado: Irregularidades em Licitação pode ser um dos motivos de impeachment do Prefeito

Polícia desarticula quadrilha de receptação de caminhões furtados em Guanambi

Brumado: Em patrulhamento pelo bairro Dr. Juracy, Polícia apreende drogas


Tempo de trabalho rural infantil poderá ser computado para aposentadoria

Foto: Reprodução

O tempo de trabalho rural infantil poderá ser computado para efeitos previdenciários. De acordo com informações da Agência Brasil, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a ilegalidade do trabalho infantil, mas entendeu que não somar este tempo de serviço seria punir o trabalhador duas vezes. A decisão se deu em um caso julgado no início do mês, no qual um homem que começou a trabalhar aos 11 anos de idade com a família pediu para que o período até completar os 14 anos fosse computado como tempo de serviço, ao solicitar a aposentadoria na Previdência Social. Em instâncias inferiores, foram levados em consideração apenas o período a partir dos 14 anos, por ser permitido por lei. No STJ, entretanto, a Primeira Turma entendeu que não existe idade mínima para computar o tempo de serviço, mesmo que o trabalho seja ilegal. “Reafirma-se que o trabalho da criança e do adolescente deve ser reprimido com energia inflexível, não se admitindo exceção que o justifique. No entanto, uma vez prestado o labor o respectivo tempo deve ser computado, sendo esse cômputo o mínimo que se pode fazer para mitigar o prejuízo sofrido pelo infante, mas isso sem exonerar o empregador das punições legais a que se expõe quem emprega ou explora o trabalho de menores”, afirmou o ministro Napoleão Nunes Maia, relator do caso, destacando que o reconhecimento não é uma chancela do Judiciário ao trabalho infantil.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário