ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado registra o 28º óbito por Covid-19, o novo coronavírus

Amargosa: Novo tremor em distrito assusta moradores na noite de terça-feira (27)

Bete Fruits: Frutas e verduras fresquinhas todos os dias

Taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 volta a subir e chega a 55% na Bahia

Brumado: Município registra 229 pacientes em tratamento por conta da Covid-19

Polícia Civil localiza 30 integrantes da facções rivais na Bahia em operação

Investimento em educação desafia prefeitos em final de mandato

Governo publica redução de impostos sobre videogames

Petrobras reduz preço do diesel em 4% e da gasolina em 5% a partir de hoje (27)

Sem controle de aglomerações, Bahia pode enfrentar 2ª onda de Covid antes do fim do ano

Brumado registra 36 novos casos de Coronavírus nas últimas 24h

Chuva derruba árvores e causa enxurrada em Brumado; veja o vídeo

Muro de canal do 'Riacho do Bufão' cai após chuva intensa em Brumado

Limite máximo de pessoas permitidas em eventos na Bahia é ampliado de 100 para 200

Campanha eleitoral no Brasil já destinou R$ 12,8 milhões ao Facebook

Brumado: Venha conhecer a loja Império 10

Chapada Dimantina: Homem é preso após ser flagrado com CNH falsa e diz que comprou documento por R$ 3 mil

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Saúde Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19

Pax Nacional é referência no segmento funerário e se destaca em toda região


Brumado: Pré-candidato a prefeito Alessandro Lobo é condenado a 8 anos de inelegibilidade por abuso de poder econômico

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Na última segunda-feira (1º), o Dr. Genivaldo Alves Guimarães, Juiz da 90ª Zona Eleitoral, condenou o médico e pré-candidato a prefeito de Brumado, Alessandro Lobo e Silva, a 8 anos inelegibilidade por abuso de poder econômico nas eleições de 2016. Na época, o médico também pretendia ao cargo no executivo. A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE), foi ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), em dezembro de 2016. Alessandro foi acusado por "abuso do poder econômico, arrecadação e gastos ilícitos, gastos eleitorais antecipados e/ou com violação às normas sobre prestação de contas, peças publicitárias antes da convenção partidária, outdoors, faixas e boletim informativo de modo que também houve propaganda intra-partidária por meio de veículo de divulgação em massa". Em se tratando de eleições municipais, os efeitos da condenação não são imediatos. "É necessário que a sentença transite em julgado ou seja confirmada por Órgão colegiado".



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário