ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Nova doença pode gerar pandemia mais letal que Covid-19, alerta especialista

Bahia: Pelo menos dez cidades devem receber vacinas contra Covid-19 nesta segunda

Vacinação contra Covid-19 na Bahia deve durar 16 meses, estima Fábio Vilas-Boas

Profissionais de saúde compõem grupo da 1ª fase de vacinação contra Covid-19 em Brumado, diz secretário

Cidemar vence Covid-19 e tem reencontro emocionante com a família; vídeo

Após veículo capotar duas vezes, família sobrevive a acidente na BR-030 entre Brumado e Ibitira

Sede do Graer abrigará vacinas na Bahia; distribuição será feita com aeronaves

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Enfermeira de São Paulo é 1ª vacinada contra Covid-19 no Brasil

Pax Nacional sempre ao seu lado

Mais da metade dos inscritos falta ao 1º dia do Enem em meio à pandemia

Super promoção da Loja Império 10: duas peças por somente R$ 15

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid

Bahia: Roças com 120 mil pés de maconha são descobertas em Curaçá

Empresa brumadense vai investir R$ 8 milhões na cidade e gerar novos empregos

Embasa descobre novas ligações clandestinas no distrito de Lagoa Funda, em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Sesab afirma que está preparada para vacinar 5,08 milhões de pessoas na Bahia


Brumado: Após flexibilização de comércio, donos de bares e lanchonetes ainda fechados, reclamam de ambulantes nas ruas

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O novo Decreto (Nº 5.259) publicado esta semana flexibilizou outros estabelecimentos comerciais à funcionarem em Brumado, permitindo a reabertura e atendimento presencial ao público. O decreto determina que os serviços autorizados, devem adotar medidas para evitar a propagação do vírus, em especial o distanciamento mínimo entre as pessoas, o uso de máscaras e a higienização das mãos. Entretanto, o novo Decreto ainda proíbe algumas atividades no município, como: eventos esportivos, casas de shows, festas, clubes de lazer, bares, restaurantes, sorveterias, academias, escolas, cultos religiosos e cinemas. Mas em contato com a Redação do site 97NEWS, uma comerciante do setor de alimentos cobra da administração pública mais rigor na fiscalização. Sua insatisfação partiu enquanto vendedores ambulantes tomaram a frente da agência da Caixa Econômica Federal na manhã desta quarta-feira (29). Segundo ela, mesmo que muitos precisam ganhar o seu "pão de cada dia", ela considera a ação desonesta, na qual os comerciantes, que pagam seus impostos ao município todo mês, ficam proibidos de abrirem seus estabelecimentos, devido a recomendação da pandemia.

 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Por outro lado, conforme eles, os ambulantes vendem livremente alimentos, bebidas e outros derivados nas calçadas da cidade, sem nenhuma proteção como máscaras, luvas e álcool 70°, além da falta de condições higiênicas no manuseio dos produtos. "Nós somos obrigados a entregar via delivery, e por conta disso as nossas vendas caíram. Mas no entanto, os vendedores ambulantes vendem livremente os alimentos sem nenhuma proteção. Isso é uma concorrência desleal. Já liguei para a prefeitura e ninguém faz nada", lamenta a comerciante. De acordo com ela, até uma barraca foi instalada em cima da calçada da Caixa Econômica, o que impede o direito de ir e vir da pessoas. "Se eles tem direito, nós também temos, pois pagamos impostos, aluguéis funcionários", disse a comerciante. No fim da manhã de hoje (29), a nossa reportagem foi até o local e registrou uma equipe de fiscalização da prefeitura retirando os ambulantes do local. No início da tarde, nós fomos até o centro da cidade novamente e não encontramos nenhum ambulante na calçada da agência bancária.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário