ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Jornalista Daniel Simurro morre aos 58 anos em Brumado

Brumado: Há 19 dias município não registra morte por Covid-19

Guanambi: Rui entrega reforma de estrada e autoriza R$ 35 milhões em ações

Brumado: Blogueiro Daniel Simurro é internado após mal súbito em sua residência

Brumado: Sindicato dos Mineradores denuncia assédio moral em empresa de refino de talco

Brumado retoma vacinação de adolescentes com 16 e 17 anos nesta terça-feira (21)

Novas chamas atingem Chapada Diamantina entre Mucugê e Lençóis

Caetité lidera produção mineral baiana em agosto

Em carta, governadores desmentem Bolsonaro sobre alta da gasolina

Brumado: Manifestantes protestam contra Bolsonaro e prefeito Eduardo Vasconcelos em praça pública

Brumado: Após 1 ano e cinco meses, grupos de capoeira retornam com encontros em praças

Brumadenses são presos em Goiás por roubo de carga avaliada em R$ 180 mil

Brumado vacina contra a Covid nesta segunda-feira, pessoas de 12 a 17 anos com comorbidades

Bombeiros continuam em combate a incêndios na Bahia

Brumado: Mulher fica ferida após acidente entre carro e moto no bairro Santa Tereza

Vítima de câncer, morre ator Luis Gustavo aos 87 anos

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Mandetta avisa que será demitido esta semana

Foto: Reprodução

Em conversa que teve tom de despedida com sua equipe na noite de terça-feira (14), após a entrevista coletiva da qual participou no Palácio do Planalto, o ministro da  Saúde, Luiz Henrique Mandetta, avisou sua equipe que Jair Bolsonaro procura um nome para substituí-lo. Segundo a Folha de S.Paulo,  Mandetta avisou que combinou de esperar a escolha do substituto e de ficar até a exoneração de fato ocorrer. Mandetta esteve presente na reunião do conselho, com Bolsonaro e os demais ministros. Segundo relatos, o chefe da Saúde ficou em silêncio durante todo o encontro. Durante a pandemia do coronavírus, Mandetta e Bolsonaro têm defendido opiniões antagônicas sobre a prevenção e controle da doença. Bolsonaro se opõe ao isolamento social defendido pelo Ministério da Saúde em consonância com toda a comunidade médica e a  Organização Mundial da Saúde. Bolsonaro também tentou impor, contra toda evidência científica, o uso da hidroxicloroquina como medicamento para a cura da doença. As divergências entre o ocupante do Planalto e o ministro se tornaram públicas e assumiram tom de conflito aberto. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário