ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Brumado: Trabalhadores da Endicon são demitidos e temem 'calote' de empresa

Brumado: Preso em flagrante tem ataque de fúria, agride policiais e quebra objetos de delegacia

PM apreende drogas e pássaros silvestres em Rio de Contas

Acesse a TV Templo dos Milagres no Youtube e seja abençoado

Brumado: Mega estrutura está sendo montada para o Verão VIP com ingressos limitados

O Tema Livre Podcast desta semana recebeu o 'MC Naip Bronka'

Brumado: Subnotificação dos casos de Covid esconde números reais da doença

Cinco morrem e mais de 70 são presas em operação da PM na Bahia

Homem mata pastora de 84 anos a pauladas na porta de igreja

Há 41 anos, mulher procura avós que possivelmente moram em Brumado ou Caetité

Operação Força Total intensifica policiamento na Bahia

Dr. Felipe Leão, médico da Clínica Mais Vida, alerta sobre a importância da realização do check-up

Operação da PF prende homem que divulgou vídeo de estupro de criança


Milhares de prefeituras podem ter seus recursos da saúde bloqueados por falta de dados no SIOPS

Foto: Divulgação

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) emitiu um alerta afirmando que até o último dia 21 deste mês, cerca de 2.516 prefeituras municipais não haviam homologado as informações do sexto bimestre de 2019 no Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (Siops). Esses Municípios devem alimentar o sistema com as informações até 29 de fevereiro, pois os que não enviarem as informações ficam sujeitos ao bloqueio das transferências de recursos constitucionais a partir de 1º de março. A área técnica de Saúde da Confederação lembra que o prazo para entrega dessas informações era 30 de janeiro, conforme calendário estabelecido pela legislação vigente. Diante disso, a entidade ressalta aos gestores municipais a importância de regularizarem a situação tanto de entrega das informações do sexto bimestre quanto dos bimestres anteriores. É fundamental o alerta da CNM, uma vez que pendências foram identificadas em diversas prestações de contas das prefeituras, conforme dados do Ministério da Saúde. Entre elas: não homologação dos dados do primeiro bimestre por 458 Municípios; do segundo bimestre por 504; do terceiro bimestre por 604; do quarto bimestre por 768; e do quinto bimestre por 1.135 Municípios. A Confederação lembra que manter as informações atualizadas é essencial para regularidade dos repasses federais de financiamento da saúde. O atraso ou a não homologação dos dados implicam na inscrição do Município no Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (Cauc) e em bloqueios no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Por isso, a entidade reitera ainda a importância da verificação da qualidade da informação a ser transmitida, de forma periódica e em prazo oportuno, para evitar perda de informações ou atraso no envio, e assim evitar transtornos e sanções para a gestão municipal.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário