ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

CIB recomenda retomada imediata da vacinação de adolescentes na Bahia

Brumado: Denúncia contra vereador 'Nem' pede cassação do seu mandato na Câmara

Bahia: Estado tem mais de 1,5 milhão de títulos eleitorais cancelados

Setembro Amarelo - um simples abraço pode salvar uma vida

Brumado: Cabeceira de ponte que liga Centro ao bairro São Felix, cede e preocupa motoristas

Especialistas consideram remota possibilidade de tsunami atingir a costa da Bahia

Brumado: AUCIB convoca associados para assembléia de eleição da nova diretoria

Com ajuda de cão farejador, PRF apreende quase 3 toneladas de maconha em Vitória da Conquista

Anvisa mantém orientação sobre vacinação de adolescentes e contraria determinação do MS

Brumado já registrou 400 furtos de placas de sinalização de trânsito, diz SMTT

Ministério da Saúde suspende por cautela vacinação para adolescentes de 12 a 17 anos

Bahia: Caetité, Jacobina e Itagibá reuniram 51% da produção mineral em agosto

Em audiência pública, Prefeitura apresenta proposta do Orçamento 2022

Brumado: Horta comunitária vira exemplo de inclusão social e produtiva em Pedra Preta

Itapetinga: Polícia recupera animais furtados avaliados em mais de R$ 100 mil

Coruja branca aparece no centro de Brumado e é resgatada por populares

Relatório mostra efeito da pandemia no mercado de shows no Brasil

Vacinação contra Covid segue para pessoas com 17 anos ou mais em Brumado

Dia 'D' da Campanha Antirrábica será no próximo sábado (18)

Brumado: Casos ativos de Covid-19 continuam caindo no município


Brumado: Gerente de distribuidora de GLP diz que venda fracionada de gás de cozinha poderá sair mais cara ao consumidor

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O assunto chamou a atenção dos consumidores que nem sempre tem o valor total de R$ 65 ou R$ 70 no bolso para pagar por um botijão de 13 kg -- preço médio aplicado em Brumado e região. A nova proposta surgiu da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Com ela, o consumidor de gás liquefeito de petróleo (GLP), que é o gás de cozinha, poderá encher o botijão de forma parcial, sem ser obrigado a comprar ele cheio, como ocorre hoje. Essa é uma das medidas que podem ser implementadas pelo governo nos próximos meses. Segundo a ANP, "isso impacta particularmente as famílias de baixa renda, que chegam ao final do mês sem recursos para comprar um botijão completo. Assim, uma dona de casa pode ser levada a migrar para o carvão, a lenha e o álcool, correndo riscos e criando implicações para a saúde pública". Novas regras para o GLP devem ser discutidas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em uma reunião prevista para o final de agosto. Além do fracionamento do gás de cozinha, o governo quer permitir o enchimento do mesmo botijão por diferentes marcas, o que é proibido. Mesmo em condições seguras, não é permitido o engarrafamento de botijões de uma marca distinta da estampada no vasilhame. Outra mudança pode ser a opção de o consumidor levar o botijão de gás vazio diretamente para locais de enchimento, sem precisar devolver o vasilhame e pagar pelo volume residual que permanece no recipiente ao final do uso. Para a gerente de uma distribuidora de GLP em Brumado, Adriana Araújo, a medida do governo ainda é de muita expectativa. "Qualquer mudança no setor de gás de cozinha envolve a legislação, a regulamentação no setor de segurança e transportes e, ai a gente tem que aguardar como é que o governo vai se posicionar em relação a isso", disse ao 97NEWS. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Ainda segundo Adriana, a venda do gás fracionado não trará uma redução de valores para o consumidor. "A venda fracionada trará apenas a possibilidade do consumidor comprar o gás numa quantidade que caiba no bolso dele. Porque muitos não sabem, mas a venda fracionada ela acaba aumentando o preço final do produto por conta logística", relata. De acordo com a gerente, outra preocupação é o quesito segurança. Segundo ela, existem cerca de 120 milhões de vasilhames espalhados pelo pais, e esses recipientes não poderão ser usados na compra fracionada. "A embalagem que nós temos hoje, ela só pode ser envazada e lacrada em bases industriais. Então, primeira vai necessitar um investimento em vasilhames, é um vasilhame mais caro, e necessariamente ele não vai ser tão acessível à uma população de baixa renda", esclareceu Araújo. A gerente de distribuidora também ressalta que a venda fracionada quebrará algumas regras de segurança, no qual o consumidor será responsável pelo transporte do GLP a partir do momento em que ele sair da revenda. "Nós temos hoje uma regulamentação que garante o transporte do gás com toda segurança. Mas se a venda fracionada acontecer, a partir do momento que você sai do posto de abastecimento, nesse transporte, todo risco daquele gás que você tá levando, é seu. Então se você se envolver em um acidente ou coisa parecida, será de sua responsabilidade e não mais da empresa que revende o produto", alertou Adriana que acrescenta ainda sobre o investimento que pode ser muito alto. "O que sabemos é que os vasilhames podem custa de 50 a 120% a mais do que é vendido hoje no mercado. Então isso demonstra que o investimento é bem mais alto. Além disso a instalação do tanque na distribuidora tem que ser regulamentado", comentou a gerente de distribuidora de GLB.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário