ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: MP instaura inquérito para apurar supostas irregularidades em concurso público da Prefeitura

Produção industrial baiana cresceu 11,9% em junho

Leilão de quase R$ 143 milhões ofertará esgotamento sanitário para Brumado

Manutenção emergencial interrompe abastecimento em Brumado e Malhada de Pedras

ADAB identifica praga cochonilha do carmim em plantação de palma de Dom Basílio

Vitória da Conquista: Mulher é morta a tiros na frente da filha

Incra notifica assentados em situação irregular em Vitória da Conquista e mais 6 cidades

Bahia tem 20 casos confirmados da varíola dos macacos

Brumado: Agentes de saúde vão a Câmara e pedem correção de insalubridade e representação sindical

Motorista e passageira ficam feridos após picape capotar na rodovia que liga o Distrito de Sussuarana à Anagé

Votação que prevê aumento no piso salarial de agentes comunitários de Salvador gera confusão e bate boca na Câmara de Salvador

Morre aos 45 anos em Brumado, Jaqueline Santos, auxiliar de saúde bucal

Vitória da Conquista registra aumento no número de picadas de escorpiões

Maxxnet lança promoção para o Dia dos Pais

WhatsApp já permite sair de grupo sem alarde e escolher quem pode ver você online

Parque Tecnológico da Bahia irá receber mais de R$ 9 milhões de investimento

Brumado: Câmara de Vereadores promulga lei que reserva vagas de estacionamento para gestantes, lactantes e pessoas com crianças de colo

Bom Jesus da Lapa reúne 600 mil fiéis em evento religioso

Corpo de idosa chilena é encontrado em estado de decomposição no interior da Bahia

Ministério da Saúde lança Campanha Nacional de Vacinação


Brumado: Morador que teve casa invadida por água de chuva, espera por 1 ano pelo ressarcimento de bens perdidos

O casa foi invadida pela água devido ao bloqueio do canal durante as obras - Foto: Leitor l 97NEWS

A aquisição de um imóvel próprio é o desejo da maioria dos seres humanos. Após comprar sua casa no bairro São José para evitar problemas respiratórios da família, o morador Maicon Silva Teixeira, continuou vivendo o mesmo dilema desde que as construtoras terceirizadas da prefeitura começaram as obras de canalização do riacho do Santa Inês e o calçamento que margeia o canal. Segundo o morador, desde que as obras foram iniciadas -- cerca de um ano atrás -- sua esposa vive ama crise alérgica provocada pela poeira, consequência do local ter sido escavado durante as obras. De acordo com Maicom, essa é apenas uma das situações que a sua família vem enfrentando ao longo de 13 meses. Para piorar a situação, o morador relatou ainda que nas últimas chuvas que atingiram a cidade, sua casa foi invadida pela água, por conta da construtora ter obstruído a entrada da água que vem da serra do loteamento Santa Inês. "Eles paralisaram a obra por causa das detonações que teria que ser realizadas na obra. Nesse intervalo, eles deixaram a passagem da água obstruída, e quando veio a chuva entrou na minha casa, porque ela não tinha por onde escoar", disse ao 97NEWS. 

A água chegou a 20 cm de altura no imóvel - Foto: Leitor l 97NEWS

Ainda segundo o morador, ele perdeu todos os móveis e roupas. "Estou inválido sem poder trabalhar por causa de problemas de saúde. Minha esposa está grávida, e as coisas que nós tínhamos guardado na casa perdeu tudo com a lama, eu não sei o que fazer. Tentei de todas as formas falar com os responsáveis pelas empresas, e eles me disseram que não poderiam fazer nada. Apenas alegaram que minha casa estava abaixo do nível", relatou Teixeira. Conforme o morador, antes mesmo de construírem a rua, sua casa sempre esteve lá, então o município tinha que nivelar a via de acordo com as casas que já foram construídas no local a cerca de 40 anos atrás. "Eu mora aqui a mais de três anos e nunca tive problema de alagamento. Quando começaram a obra ninguém veio até a mim e me alertou sobre o problema, agora depois que fico no prejuízo chegam para mim e dizem que minha casa esta baixa", questionou o morador da rua Francisco Manoel da Cruz. Conforme o morador, em uma última conversa com as empreiteiras, eles disseram que iriam tentar resolver a situação. "Eles mandaram eu fazer um orçamento do prejuízo, foi feito, mas quando levei até eles, disseram que não poderia me ressarcir enquanto a prefeitura não pagasse pela obra", esclareceu o morador que ficou no prejuízo e agora só lhe resta acionar o Ministério público para tentar reaver os pertences perdidos.

Foto: Leitor l 97NEWS


Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário