ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

LAB: Vamos cuidar daqueles que amamos

Rui autoriza retomada do transporte coletivo intermunicipal em toda a Bahia

Covid-19: Pandemia não impede campanha 'corpo a corpo' entre candidatos em Brumado

Brumado: Há 14 anos filha procura por mãe que separou do pai quando ela ainda tinha 12 anos

BA-148: Motorista fica ferido após colisão entre carro e caminhão em Livramento de Nossa Senhora

BA-262: Queimada às margens de rodovia chama a atenção de motoristas, veja

1.185 pacientes foram curados da Covid-19 em Brumado

Caetité: Hospital do Câncer será entregue em novembro

Bahia: Há mais de uma semana vegetação do interior sofre com incêndios

Brumado: MP pede anulação da comissão do processo de cassação do prefeito Eduardo Vasconcelos

Brumado: Venha conhecer a loja Império 10

Eleições 2020: Médico Geraldo Azevedo tem candidatura a prefeito registrada no TSE

Mais de 20 animais são envenenados e mortos na região da Feira Livre em Brumado

Ministro da Saúde reedita portaria sobre aborto legal no Brasil

Força-tarefa que investiga desvio de recursos para combate à Covid-19 cumpre mandados na Bahia

Dermatologista da Clínica Mais Vida, Dra. Stéphane Spínola, retorna destacando a importância dos cuidados com a pele

Covid-19: 136 pacientes estão em tratamento em Brumado

Guanambi: Chefe do tráfico morre em confronto com a Cipe/Sudoeste no distrito de Ceraíma

Animais de rua ganham abrigo e comedouro em quatro bairros de Vitória da Conquista

'Não quero ser responsável pela morte de alunos', afirma governador sobre volta às aulas na Bahia


Com risco de perder cachê, Lambasaia está proibida de tocar músicas ofensivas às mulheres em evento

Foto: Reprodução

O que era apenas uma possibilidade se concretizou em contrato assinado. A banda Lambasaia está proibida de tocar em evento público da cidade de Camaçari, no dia 22 de junho, músicas ofensivas às mulheres. Segundo o site Bocão News, a minuta do contrato já apontava essa alternativa, que foi confirmada no acordo formalizado entre as partes. No 2º parágrafo da 6ª cláusula, entre as obrigações da contratada, “não executar em suas músicas, danças ou coreografias palavras ou ações que venham a desvalorizar, incentivar a violência contra a mulher ou que possibilite a sua exposição a situação de constrangimento, conforme Lei Estadual nº 12.573/2012”. Em caso de descumprimento, a banda poderá ser penalizada com perda de parte do cachê. 

Foto: Reprodução

De acordo com a publicação no Diário Oficial do Estado, do último dia 28 de maio, o valor total da contratação é de R$ 60 mil, o que foi confirmado em contrato. “O descumprimento, parcial ou total, de qualquer das cláusulas contidas no presente contrato sujeitará a contratada às sanções previstas na Lei Federal nº 8.666/93, garantida a prévia e ampla defesa em processo administrativo” – “A multa será graduada de acordo com a gravidade da infração, sobre o valor total atualizado do contrato”, informa os parágrafos 1º e 4º da 9ª cláusula do contrato. Ainda segundo o site, a decisão vem após o Grupo Mulheres Unidas de Camaçari pedir a retirada do grupo da programação alegando que o município estaria descumprindo a Lei  Lei Estadual 12.573/2012, conhecida como ‘Lei Antibaixaria’. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário