ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Governo federal vai cortar R$ 8,2 bi em verbas de ministérios

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Peritos médicos do INSS encerram greve e voltam a atender na próxima segunda (23)

Bahia: IBGE divulga resultado da seleção do Censo 2022

Em visita à Brumado, ACM Neto critica segurança pública da Bahia

Governo do Estado vai autorizar obras de abastecimento de água, estrada e esportes em Brumado

Elon Musk visita o Brasil para discutir conectividade e proteção da Amazônia

Você sabe quando deve consultar o endocrinologista? Especialista da Clínica Mais Vida orienta sobre principais sintomas

Mais de 12 mil raios atingiram Bahia na última quarta-feira, dia 18

Estado da Bahia utilizará mesma tecnologia em segurança usada em Nova Iorque

Garimpo ilegal movimentou mais de R$ 200 milhões no Brasil

Brumado: Superintendente da SMTT acredita que ‘polêmica’ com radares é apenas uma questão de adaptação

Brumado: Em coletiva, pré-candidato ACM Neto critica péssimos índices na segurança da Bahia e defendeu mudança de postura


Sudoeste: Polícia Rodoviária Estadual captura animais soltos as margens da BA-262

Foto: Divulgação l PRE

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE), com apoio dos fiscais da prefeitura de Vitória da Conquista e a empresa via Bahia realizaram nesta quinta-feira (28), uma operação para capturar animais soltos ao longo da rodovia BA-262. A ação visa reduzir o número de acidentes envolvendo veículos e animais nos municípios de Vitória da Conquista, Anagé, Aracatú e Brumado. Segundo a PRE, foram recolhidos 04 equinos que pastavam as margens da BA-262. A operação foi comandada pela 2ª Companhia Independente de Polícia Rodoviária CIPRv/Brumado. Segundo a PRE, o Código Civil Brasileiro prevê punições, inclusive indenizatórias, ao dono ou detentor do animal que provoque um acidente em uma rodovia, caso não seja provada culpa da vítima ou força maior. Além disso, o Art. 132, do Código Penal diz que expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente pode resultar em detenção, de três meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário