ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Petrobras põe direitos de potássio na Amazônia à venda

MP autoriza exploração de minérios nucleares por setor privado

Psicóloga atende na Pax Nacional; agende já sua consulta

Petrobras reduz preços de venda de gasolina para as distribuidoras a partir desta terça-feira (16)

Brumado: Vitimas do grave acidente na BR-030 foram identificadas

FGTS vai distribuir R$ 13,2 bilhões em lucro aos trabalhadores

Chegou em Brumado, Auto Diesel: O melhor preço da Bahia!

Brumado: Dois jovens morrem na BR-030 após moto ser atingida por carro

Pai tenta matar o próprio filho com golpe de faca em Tanque Novo

Brumado: Professora de matemática do IFBA sofre AVC e morre cinco dias depois

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Eleitor tem até quinta-feira (18) para pedir voto em trânsito

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil


Brumado: 'Não tem a mínima responsabilidade' diz moradora do bairro Dr. Juracy contra a prefeitura após perder os móveis na madrugada de segunda (17)

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Moradora do bairro Dr. Juracy, em Brumado se queixa de um problema incomum. Segundo ela, a empresa terceirizada da prefeitura pode ser a responsável pelo alagamento que atingiu a rua Ruy Barbosa. "Olha a situação da minha casa, por causa de um serviço mal feito da prefeitura. Um serviço que já tem mais de cinco meses", diz a Baiana do acarajé, Valdelice. Ela mora perto do local onde a prefeitura está construindo um muro de arrimo. A baiana diz ainda que a empresa aterrou a rua e não deixou a saída da água. "Perdir meus móveis, eletrodomésticos e os preparos para o acarajé", conta. A enxurrada foi na madrugada de segunda-feira (17) e assustou os moradores. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

"É uma coisa que vem de repente e inexplicável. Você vê a água entrando e não tem o que fazer. Meu filho que foi lá fora e quebrou o muro para não alagar outras casas", diz Val do do Acarajé. Quem vive no bairro diz que não entende porque construir muro de arrimo, e não deixar o escoamento de água. "Já foram lá e conversaram com eles [empresa] e ninguém falou nada", conta Val. Há 28 anos, morando na localidade, a Baiana disse que nunca viveu esse momento. “A água deu nos peitos do meu filho. Foi muita água, um drama horrível. Minhas coisas estão todas acabadas, está tudo destruído. Não imagino o que será da minha vida”, relatou. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário