ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mortes de profissionais da saúde por Covid-19 despencam após vacina, indicam estudos

Brumado: Homem tenta assaltar supermercado com 'garrucha' e é contido por populares

Brumado registra quatro óbitos de coronavírus em 24h

Jovem de 20 anos morre após acidente entre motocicleta e carro na BA-262, trecho entre Brumado e Aracatu

Brumado: Surto de Covid-19 atinge o legislativo brumadense, diz vice-presidente da Câmara

‘Ministério não tem vara de condão para resolver todos os problemas’, diz Queiroga sobre falta de vacina contra covid

Vereador Beto Bonelly convida empresários de Vitória da Conquista para conhecer potencial de Brumado

Brumado: Após vazar na imprensa, prefeitura faz distrato de contrato com empresa contratada para gerenciar UTI Covid

Secretaria de Saúde divulga calendário de vacinação para idosos a partir de 64 anos

Nova Lei do gás trás novas regras para o setor

Conselho Tutelar denuncia mãe por maus tratos em filha de 8 anos em Livramento de Nossa Senhora

Bahia: Motorista atropela vacinadora em posto de vacinação drive-thru; veja o vídeo

Brumado: Sem trabalho por conta da pandemia, cuidadora de idosos chegou alimentar filhos com farinha e água

Brumadense com guillan-barré está internada há mais de 30 dias em Vitória da Conquista à espera de medicamento

Bahia vacinou 12,5% da população contra Covid-19, diz consórcio de imprensa

Brumado: PM apreende homem e adolescente com drogas na Praça da Cebola

presidente da Câmara de Brumado é transferido para Vitória da Conquista

Bamin vence leilão da Fiol e retomará obra com aplicação de R$ 3,3 bilhões

Brumado confirma três mortes de Covid-19 em 24h

Novo lote com mais de 280 mil vacinas contra a Covid-19 chega à Bahia


Aluna será indenizada por ter sido obrigada a fazer oração em sala de aula

Foto: Luciano Santos l 97News

Em um caso não muito frequente, mas também que não é raro, a justiça de São Paulo condenou uma professora e uma escola pública a pagarem idenização a uma aluna. Segundo o Tribunal de Justiça da capital paulista, a professora, com o conhecimento da direção e da coordenação, realizava orações coletivas durante as atividades escolares. A mãe da criança, que a representou no processo, alegou que a filha sofreu danos psicológicos ao ser alvo de bullying por se recusar a participar da oração. Ela e sua família são candomblecistas. A desembargadora Maria Laura Tavares, relatora do processo, avaliou que o pedido de indenização era procedente. “O Estado, especialmente a instituição de ensino pública, não deve promover uma determinada religião ou vertente religiosa de forma institucional e não facultativa”, comentou a magistrada na decisão. A desembargadora completou dizendo que essa atitude pode ocasionar “segregações religiosas, separatismos, discórdias e preconceitos”. De acordo com a relatora, o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que o Estado responde objetivamente pelos danos causados por seus agentes. Segundo a desembargadora, cabe à Administração Pública apurar se houve culpa ou dolo da professora pelos danos causados e, se for o caso, cobrar o devido ressarcimento. O desrespeito à liberdade religiosa e a imposição de prática de cunho religioso de forma institucional e obrigatória em instituição de ensino pública violam o direito da personalidade das autoras, notadamente quanto à liberdade de pensamento, identidade pessoal e familiar.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário