ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Desatenção de motociclista causa acidente na Av. Coronel Santos

Após quatro dias de queda, casos ativos da Covid-19 voltam a subir na Bahia

Sindicato dos Bancários acusa banco privado por descumprir acordo e demitir durante pandemia

Piatã: Moradores denunciam mineradora por poluição em nascente de rio

Brumado: Prefeito é intimado para audiencia de instrução no processo que pode levar ao seu impeachment

Estudo garante que vacina americana é segura e gera anticorpos

Começa hoje pagamento do auxílio emergencial de R$ 300 para nascidos em janeiro

Brumado ultrapassa os 1500 casos da Covid-19, o novo coronavírus

Vinte candidatos se autodeclaram analfabetos nas eleições deste ano

Eleições 2020: Município de Licínio de Almeida tem apenas um candidato ao Executivo

Baianos receberam sementes 'misteriosas' que acenderam alerta no Brasil

Candidato à Prefeito em Brumado, Geraldo Azevedo é internado na UTI de Vitória da Conquista com Covid-19

Restaurante serve 'marmitex' com carvão para cliente com transtorno mental em Serra do Ramalho

PF cumpre mandados em Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora na Operação 'Work Out'

Ladrões se vestem de operários e roubam fios de cobre subterrâneos em obra no centro de Salvador

Brumado: Corrida à vagas no Legislativo tem recorde de candidatos inscritos

Brumado: Município confirma 17ª morte por coronavírus; já são 235 casos ativos

Bahia antecipa pagamento de aposentados e pensionista no mês de setembro

Corpo de mulher em estado de decomposição é encontrado em Aracatu

'Números de óbitos ainda estão altos', diz Rui ao ser questionado sobre volta às aulas


Fraude com CPF tornou possível envio de mensagens em massa pelo WhatsApp na eleição

(Foto: 97NEWS Conteúdo)

O esquema de envio de mensagem em série via aplicativo Whatsapp pagos por empresários em benefício de políticos nas eleições deste ano era feito com base em uso fraudulento de nomes e CPFs de idosos para registrar chips de celulares, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo.  Segundo relato de um ex-funcionário da Kiplix, uma das agências envolvidas, era realizado o cadastro de números com nomes, CPFs e datas de nascimento de pessoas nascidas de 1932 a 1953 (de 65 a 86 anos), que ignoravam o uso de seus dados. Uma vez ativados, os chips eram usados para disparos em massa pelo WhatsApp. Outra irregularidade cometida pelas empresas foi o uso de robôs para disparo de mensagens em massa, algo que é proibido pela legislação eleitoral.  As medidas estão registradas em documentos que foram obtidos pela Folha depois que o ex-funcionário, identificado como Hans River do Rio Nascimento, entrou com uma ação na Justiça do Trabalho contra a agência por condições irregulares de trabalho. Ele chegou a conversar com o jornal sobre as ações de campanha, mas entrou em acordo com a empresa e voltou atrás. A agência Kiplix foi subcontratada pela AM4, empresa que trabalhou na campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro e à qual o então candidato declarou ao TSE pagamento de R$ 650 mil. Já a equipe do candidato derrotado Henrique Meirelles (MDB) contratou os serviços da agência Deep Marketing e declarou pagamento de R$ 2 milhões à empresa por "criação e inclusão de páginas da internet". Pelo menos outros 15 candidatos a deputado estadual, federal e senador declararam ao TSE ter contratado os serviços das duas agências.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário