ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Embasa é acionada por descarte irregular de resíduos em Morro do Chapéu

Brumado: Terminal Rodoviário passa por manutenção e conservação

Conquista: Comerciante é preso vendendo celulares com restrição de roubo

Bahia receberá primeira Copa Indígena de Futebol

Empresa brumadense está entre as classificadas para o Prêmio BBM de Logística 2021

Caminhoneiros acusam ministro de se empenhar para desarticular greve

Itapetinga: Homem é preso suspeito de se passar por funcionário de bancos e aplicar golpes de mais de R$ 50 mil

Brumado: Moradores da rua Bocaiuva reclamam que coleta não está sendo realizada e lixo se acumula pela rua

Novo decreto que vai liberar 50% da capacidade dos estádios na Bahia

Brumado: Moradores da Rua Princesa Leopoldina rompem manilha de esgoto após alagamento de casas

Brumado: Moradores reclamam de criação de porcos perto de residências no bairro São Felix

Brumado: Câmara recua e não vota proposta para volta das máscaras de proteção

Conquista: Acidente entre carro de passeio e carreta deixa quatro mortos

Senhor do Bonfim: Operação prende empresário considerado 'príncipe do tráfico'

Após reivindicação da vereadora Verimar, operação 'Água Potável' é iniciada em Brumado

Petrobras sobe novamente preços da gasolina e do diesel

Brumado: OAB vai acionar prefeito na Justiça após decreto que liberou uso de máscaras

Brumado: Colisão lateral entre veículo de passeio e moto deixa dois feridos na BA-148

Motociclista de 42 anos morre em acidente na BA-148

Brumado: Venha conhecer a loja Império Utilidades


Aluno de 15 anos faz estudo sobre gênero e sexualidade: 'É enorme o preconceito na comunidade escolar'

Aluno de 15 anos apresentou estudo sobre gênero e sexualidade (Foto: Arquivo pessoal )

Estudante do 1° ano do ensino médio, Fabrício Pupo Antunes tem 15 anos e é aluno especial na disciplina de Antropologia no mestrado na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ele começou a perceber que entre os colegas havia dificuldade de identificar gêneros e discutir sexualidade, então, resolveu desenvolver um estudo com base no livro "A Garota Dinamarquesa" de David Ebershoff. "Começou por conta de experiências no âmbito escolar, e depois de ver o preconceito com que a questão de gênero é tratada nas escolas", conta. Fabrício explica que o objetivo do projeto é dissociar sexo e orientação. Para ter embasamento, ele estudou o livro que deu origem ao projeto, além de documentários, filmes e outras obras.Foi participando de uma feira científica em Campo Grande que o jovem foi convidado para apresentar o projeto na 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada no fim de julho, na Universidade Federal de Alagoas, em Maceió (AL). Na ocasião, ele apresentou o estudo para o Ministério da Saúde e ganhou menção honrosa. Agora, a ideia é que o trabalho chegue até as escolas por meio da literatura: "O objetivo do trabalho é estudar e diferenciar. Com a conclusão do projeto, entendi que o livro 'A Garota Dinamarquesa' pode ser usado para estudo de gênero e orientação. A dificuldade existe, os dados mostram isso, é difícil entender que existem essas diferenças de gênero. É enorme o preconceito na comunidade escolar, mas os alunos são muito abertos a essa discussão", explica. Para Fabrício, uma das experiências mais importante com o projeto foi a conversa com o autor do livro, David Ebershoff: "Enviei um e-mail falando do projeto, mas não esperava resposta. Ele respondeu e começamos a conversar, ficamos amigos. Nós o convidamos para vir para o Brasil na próxima Reunião Anual SBPC que acontece em 2019 em Campo Grande, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Será emocionante se ele vier mesmo!", finaliza.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário