ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Petrobras põe direitos de potássio na Amazônia à venda

MP autoriza exploração de minérios nucleares por setor privado

Psicóloga atende na Pax Nacional; agende já sua consulta

Petrobras reduz preços de venda de gasolina para as distribuidoras a partir desta terça-feira (16)

Brumado: Vitimas do grave acidente na BR-030 foram identificadas

FGTS vai distribuir R$ 13,2 bilhões em lucro aos trabalhadores

Chegou em Brumado, Auto Diesel: O melhor preço da Bahia!

Brumado: Dois jovens morrem na BR-030 após moto ser atingida por carro

Pai tenta matar o próprio filho com golpe de faca em Tanque Novo

Brumado: Professora de matemática do IFBA sofre AVC e morre cinco dias depois

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Eleitor tem até quinta-feira (18) para pedir voto em trânsito

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil


Projeto obriga divulgação na internet de estoques de medicamentos de farmácia pública

(Foto: 97NEWS Conteúdo)

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 9300/17, que obriga as instâncias gestoras do Sistema Único de Saúde (SUS) a disponibilizar nas respectivas páginas eletrônicas na internet os estoques de medicamentos presentes nas farmácias públicas que estiverem sob sua gestão, com atualização diária. Apresentado pelo deputado Eduardo Cury (PSDB-SP), a proposta inclui a obrigação na Lei Orgânica da Saúde (8.080/90). Pelo texto, a informação deverá ser divulgada de forma acessível ao cidadão comum. Segundo Cury, o projeto foi inspirado em iniciativa da prefeitura de São José dos Campos (SP), que desde 2017 divulga, por meio da internet, os estoques diários dos medicamentos disponibilizados para a população. “Muitas pessoas vão em busca de um medicamento que lhe foi receitado nas unidades de dispensação, mas são surpreendidos pela inexistência do produto, fato que pode se repetir diversas vezes”, afirma o deputado. “Pacientes perdem tempo e dinheiro nas visitas constantes às farmácias e não conseguem obter o remédio indicado”, completa.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário