ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Comprovante de vacinação passa a ser exigido em delegacias da Bahia

Piloto morre após queda de avião em Luís Eduardo Magalhães

Vitória da Conquista: Terreiros de religiões de matriz africana ganham imunidade tributária

Brumado registrou 178 casos ativos de Covid-19 na sexta-feira

Família é feita refém e torturada durante assalto na zona rural de Brumado

Morre aos 94 anos, a mãe do presidente Jair Bolsonaro

Suspeito de tráfico de drogas é preso em Guanambi

Na Bahia, 283 servidores que não comprovaram vacinação serão afastados por 90 dias

Criança que teve parada cardíaca horas após se vacinar tem doença rara, diz investigação

Brumado: Ambulância atropela e mata cavalo na BA-262

36 agências bancárias da Bahia fecham temporariamente após surto de Covid-19

Ataque hacker ultrapassa 24 horas e sites do governo ainda estão fora do ar

Dr. Igor Malaquias foi o entrevistado do Tema Livre Podcast desta semana

Bahia: Governador anuncia redução de 3 mil para 1,5 mil pessoas em eventos

Brumado: Presidente da Câmara testa positivo para Covid pela 3ª vez

Policiais civis aprovam estado de greve na Bahia

Site da Secretaria de Segurança Pública da Bahia é hackeado

Prefeitura de Brumado vai iniciar reformas em casas atingidas pelas chuvas

Brasil registra 6 vezes mais casos diários de covid-19 que em dezembro

Brumado registra 36 novos casos de coronavírus em 24h


Suspeita de fraude, ex-prefeita de cidade baiana eleva patrimônio em 426%

Conhecida como "Minininha" a ex-prefeito é alvo de investigação (Foto: Reprodução)

A ex-prefeita de Maiquinique, no sudoeste baiano, Maria Aparecida Lacerda Campos (PSD), suspeita de envolvimento direto num suposto esquema de corrupção que, segundo a Polícia Federal, causou prejuízo de R$ 1,5 milhão aos cofres públicos, elevou seu patrimônio em 426% durante a gestão 2013-2016. Nas eleições de 2012, Minininha, como é conhecida a ex-gestora, registrou como patrimônio no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apenas uma picape Strada ano 2008 avaliada em R$ 38 mil. No cargo de prefeita, com salário de pouco mais de R$ 10 mil, passou o veículo adiante e comprou outro do mesmo tipo, só que ano 2014/2015, por R$ 38 mil e a Fazenda Duas Irmãs (85 hectares) por R$ 200 mil.

 

O novo veículo e a propriedade rural, localizada numa área de grande criação de gado de corte e leite, foram registradas por Menininha na declaração de bens das eleições de 2016, quando ela tentou se reeleger, mas foi derrotada pelo atual prefeito Jesulino de Souza Porto (DEM). O quadriênio 2013-2016 em que Minininha ficou no poder, elevando o patrimônio de R$ 38 mil para R$ 238 mil, é quando ocorreram desvios de verba do Ministério das Cidades para calçamento de ruas, informa a Polícia Federal, que nesta terça-feira (24) realizou a operação Ciranda de Pedra para dar fim ao suposto esquema. Da operação participaram 60 policiais federais, acompanhados de nove auditores da Controladoria Geral da União (CGU) e que cumpriram 20 mandados de busca e apreensão e catorze mandados de intimação em Maiquinique, Macarani, Itapetinga, Itamaraju, Teixeira de Freitas, Jequié, Mirante e Vitória da Conquista. Nas outras cidades, os alvos da operação são os envolvidos no suposto grupo criminoso, que, segundo a CGU, incluía Minininha. O grupo “atuava no direcionamento de processos licitatórios para empresas específicas”, afirma a CGU. A ex-gestora não foi localizada pelo CORREIO para comentar o caso. A CGU informa que a fraude consistia também na inexecução ou execução parcial dos objetos dos convênios firmados com o Ministério das Cidades, em pagamento por serviços não realizados e repasse de valores a funcionários públicos municipais ou pessoas a eles relacionadas. A alguns casos, diz a CGU, acrescentava-se o seguinte modus operandi: rescisão contratual por inexecução do objeto e realização de nova licitação para contratação de outra empresa do esquema, com vistas à execução dos mesmos serviços. Algumas das empresas serviam apenas de “fachada” e eram compostas por sócios “laranjas”. As empresas receberam, entre 2012 e 2017, o valor de R$ 3.428.183,03, com potencial prejuízo ao erário de R$ 1.587.619,76 – o montante desviado ainda será calculado. Também foi determinado o afastamento de sigilo bancário e fiscal dos principais envolvidos e o arresto de bens com valor acima de R$ 5 mil. Irregularidades na gestão de Minininha são apontadas também pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), que rejeitou as contas de 2014, 2015 e 2016 da ex-gestora por razões como gasto excessivo com pessoal e uso irregular de verba do Ministério da Educação. No total, as multas somam R$ 96.900. O TCM determinou ainda que ela devolva aos cofres públicos R$ 124.344,96.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário