ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Nova frente fria se intensifica no Sudoeste da Bahia; Brumado registrou 10ºC na madrugada de hoje (29)

Homem é condenado a 30 anos de prisão por matar garota a pauladas na Bahia

Legislativo aprova indicações e moção de aplausos e congratulações; saiba mais

Bahia tem alta na geração de empregos em maio

Paramirim: Dinheiro falso é apreendido pela Polícia na agência dos Correios

Mortes violentas caem 6% no Brasil em 2021, aponta anuário

Governo sanciona lei que devolve PIS/Cofins cobrado na conta de luz

Produção Mineral Baiana Comercializada cresce mais de 68% em maio de 2022

Mais de 40 pessoas são encontradas mortas em caminhão abandonado no Texas

Aposta da Bahia que ganhou quase R$ 18 milhões na quina de São João foi feita em um bolão

Oposição pede ao STF apreensão de celular da Petrobras que pode incriminar Bolsonaro

Guanambi: PM resgata mulher em condições de abandono e maus tratos na cidade

Preço da gasolina no Nordeste fecha primeira quinzena de junho acima da média nacional

Brumado: Morre João Souza, aos 80 anos, pai do editor do Achei Sudoeste

Aracatu: Vereadores denunciam prática de nepotismo na prefeitura

Caminhão é recuperado após identificação de roubo pelo sistema da RotSat

Em busca de votos, candidatos ao governo visitam mais de 20 municípios durante São João

Reconhecimento facial ajuda na captura de 12 foragidos nos festejos de São João na Bahia

Professor de 42 anos morre atropelado no município de Caculé

OMS diz que, 'no momento', varíola dos macacos não é uma emergência de saúde


Autorização para porte de arma poderá dispensar comprovação de necessidade

(Foto: Reprodução)

Qualquer cidadão poderá ser autorizado a portar arma de fogo independentemente de demonstrar efetiva necessidade, bastando atender a outros pré-requisitos estabelecidos pelo Sistema Nacional de Armas (Sinarm), como comprovação de idoneidade, ocupação lícita e residência fixa, além de capacidade técnica e aptidão psicológica. Essa simplificação do processo é defendida em projeto de lei do Senado pronto para votação final na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O PLS 480/2017 exclui do Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826 de 2003) a exigência de o interessado em adquirir arma de fogo apresentar uma declaração de efetiva necessidade. E faz isso ao revogar dispositivo da norma que condiciona a autorização do porte de arma à comprovação de "efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física". A proposta é do ex-senador Cidinho Santos, que, ao justificá-la, acusou a Polícia Federal de recusar muitos pedidos de licença para compra de armamento com base em critérios “discricionários”, como a “não demonstração da efetiva necessidade” de posse e porte de arma de fogo. “Observa-se, pois, que o Estatuto do Desarmamento restringiu, de forma desarrazoada e desproporcional, os direitos fundamentais à liberdade e à propriedade dos cidadãos no que diz respeito ao acesso às armas de fogo, ao conferir à autoridade administrativa plena discricionariedade na concessão do registro e na autorização do porte de armas de fogo, a despeito do preenchimento de todos os requisitos objetivos assentados na Lei”, sustentou Cidinho em defesa do projeto. Diante do registro de mais de 60 mil homicídios por ano no Brasil e da incapacidade do poder público em garantir a segurança dos cidadãos, o relator do texto na CCJ, senador José Maranhão (MDB-PB), considerou a iniciativa “conveniente e oportuna”. “Entendemos pertinentes os argumentos do autor do projeto, acreditando que essa mudança no Estatuto do Desarmamento vem em boa hora e atende ao clamor de milhares de brasileiros que querem ao menos ter a possibilidade de exercer o direito da legítima defesa em caso de agressão injusta neste ambiente de insegurança em que vivemos”, declarou Maranhão no parecer. Se aprovado e não houver recurso para votação pelo Plenário do Senado, o PLS 480/2017 será enviado à Câmara dos Deputados.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário