ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Número de candidatos que se apresentam com identidade religiosa bate recorde

Anvisa permite importação excepcional de remédios e vacinas para varíola dos macacos

Endocrinologista pediatra da Clínica Mais Vida alerta sobre cuidados com exercícios físicos

Guarda municipal não atua como força policial, decide STJ

CIPRv apreende 2 kg de maconha em ônibus interestadual próximo a Caetité

Brumado: Policial de folga identifica foragido de unidade prisional e aciona guarnição da 34ª CIPM

Homem desmaia após explosão de pneu em borracharia no Oeste da Bahia

Armazém do Criador: 19 de Agosto - Dia da Aviação Agrícola

Brumado tem redução de 40% em crimes violentos letais intencionais no 1º semestre de 2022

Bahia registrou 138 denúncias desde 2019 sobre trabalho escravo

Guanambi: Carro capota e médico sai ileso de acidente na 'Curva da Morte'

Pedestres se arriscam atravessando fora da faixa no centro comercial de Brumado

Adolescente de 15 anos usa a rede social para denunciar abuso sexual em Livramento de Nossa Senhora

Homem é morto a tiros e pedradas em Coaraci

Celular explode enquanto criança de 6 anos assistia vídeo no interior do Ceará

Guanambi: Jovem de 24 anos tem perna amputada após acidente de moto

Vitória da Conquista: Boliviana é presa com cocaína encontrada dentro de saco de 'batatas'

Site do governo da Bahia é suspenso após decisão judicial

Bahia registra 5 mortes e 1.170 novos casos de Covid em 24h

Tema Livre Podcast desta semana conversou com Joan Júnior, cantor e compositor


Fechamento da Fafen na Bahia pode causar problemas aos pacientes em hemodiálise; em Brumado 111 pacientes são atendidos por dia

Foto: Divulgação

A decisão do governo federal em fechar as Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) da Petrobras pode levar à morte milhares de pacientes com problemas renais e que necessitam da hemodiálise para sobreviver. De acordo com a Sindipetro, o fechamento da Fafen Bahia vai causar um forte impacto na empresa Carbonor S.A, situada no Polo Petroquímico de Camaçari, única detentora de tecnologia de produção de bicarbonato de sódio para uso farmacêutico e em especial para hemodiálise no Brasil, atendendo também a outros países na América do Sul. Representantes dos poderes executivo e legislativo e a sociedade já externaram preocupação com as consequências negativas (perda de empregos e receitas) que vão ser provocadas com o fechamento das Fábricas de Fertilizantes da Petrobras para os estados e municípios, particularmente da Bahia e Sergipe. O Sindipetro Bahia já organizou diversas audiências públicas, na Bahia e no estado e em Brasília, para tratar sobre o assunto, conseguindo que a Petrobras adiasse para 31 de outubro deste ano a decisão de fechar as duas fábricas, localizadas no Polo Industrial de Camaçari e em Laranjeiras. 

Em Brumado, 111 pacientes são atendidos por dia no INEB (Foto: Luciano Santos l 97NEWS)

Em Brumado, o Instituto de Nefrologia da Bahia (INEB) já está em alerta, pois os insumos são de grande importância para o tratamento. As secretarias de saúde estadual, municipal e ministério público já foram notificados. No caso das clínicas de diálise, o problema não é apenas econômico, são várias vidas que estão em jogo. Pois para a realização de uma sessão de hemodiálise é preciso usar o bicarbonato de sódio, e a falta dele, por menor que seja, impede a realização do procedimento. E os pacientes renais crônicos dependem única e exclusivamente das sessões de hemodiálise para sobreviver. A cidade de Brumado, atende cerca de 111 pacientes por dia. É preciso que as autoridades deem uma atenção especial para esta situação, pois o setor pode entrar em colapso. A Associação Brasileira dos Centros de diálise e Transplante (ABCDT) faz um apelo ao governo federal, que considere a permanência das fábricas abertas, permitindo que os insumos cheguem até as clínicas baianas. O fechamento dessas fábricas, é uma questão muito delicada, a parada da FAFEN e das demais Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados do país, coloca em risco também a nossa Soberania Alimentar e o Agronegócio, uma vez que a produção agrícola passará a depender totalmente da importação de fertilizantes.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário