ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Bahia: Roças com 120 mil pés de maconha são descobertas em Curaçá

Empresa brumadense vai investir R$ 8 milhões na cidade e gerar novos empregos

Embasa descobre novas ligações clandestinas no distrito de Lagoa Funda, em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Sesab afirma que está preparada para vacinar 5,08 milhões de pessoas na Bahia

Passa valer a partir desta sexta-feira (15), o aumento no número de vagas e novos preços na Área Azul

Queima de pneus usados contamina residencial Brisas com fumaça tóxica

Exames Laboratoriais na Clínica Mais Vida - excelência de qualidade com maior comodidade

Brumado registra a 46ª morte por conta do Coronavírus


O CMEAS e a Conscientização em Foco!

Joilson Bergher, professor de História e Filosofia, com ênfase em Ética, na Rede Municipal de Ensino -Brumado (Foto: Arquivo Particular)

O mundo se deu conta em 1992, de forma concreta que a humanidade e sua relação com o planeta não poderia se dá mais apenas numa relação de exploração eminentemente capitalista. 26 anos depois da realização daquela que ficou conhecida como Rio-92, Eco-92 ou Cúpula da Terra —, que aconteceu 20 anos depois da primeira conferência do tipo em Estocolmo, Suécia, os países reconheceram o conceito de desenvolvimento sustentável e começaram a moldar ações com o objetivo de proteger o meio ambiente. Desde então, estão sendo discutidas propostas para que o progresso se dê em harmonia com a natureza, garantindo a qualidade de vida tanto para a geração atual quanto para as futuras no planeta. Na Rio-92, ficou acordado, então, que os países em desenvolvimento deveriam receber apoio financeiro e tecnológico para alcançarem outro modelo de desenvolvimento que seja sustentável, inclusive com a redução dos padrões de consumo — especialmente de combustíveis fósseis (petróleo e carvão mineral). Com essa decisão, a união possível entre meio ambiente e desenvolvimento avançou, superando os conflitos registrados nas reuniões anteriores patrocinadas pela ONU, como na Conferência de Estocolmo.

 

Atualizando esse diálogo, estamos no ano de 2018, d.C., com ele, novas demandas, a partir de uma definição conceitual do que seja Meio Ambiente, a nosso ver - um conjunto de unidades ecológicas que funcionam como um sistema natural, e incluem toda a vegetação, animais, micro-organismos, solo, rochas, atmosfera e fenômenos naturais que podem ocorrer em seus limites. Neste particular, seguindo o que preconiza os parâmetros curriculares no Brasil, nesse momento de solapamento de direitos dos trabalhadores, incluindo-se os professores brasileiros, o Colégio Agamenon Santana, o CMEAS, em Brumado, em coletivo, com a sua Gestão Administrativa, seus professores, seus alunos, seus técnicos administrativos e demais trabalhadores daquela unidade de educação, de mão dadas vem contribuindo de forma decisiva para melhorar o conhecimento em diversas áreas, em Brumado, se lançou no diálogo coletivo e ações voltadas para o Meio Ambiente ao realizar mais um projeto de porte social e participativo, dessa vez com o mote, - “Consciência Ambiental em Foco”, onde em debate estava a possibilidade de o homem como Ser fundante ser a grande possibilidade de melhora do  ambiente ainda habitável. Importante frisar a importância que, em Brumado, se faz urgente ações de saneamento ambiental, relacionadas ao abastecimento de água, ao tratamento e destinação de resíduos sólidos (lixo) e à macrodrenagem urbana, sendo inclusive uma demanda intensa em toda essa região, conhecida no Brasil de região semi-árida nordestina onde fundamentalmente, é caracterizada pela ocorrência do bioma da caatinga, que constitui o sertão.


Foi importante orientar os alunos do Cmeas no sentido de, primeiro construir, facilitar, abstrair da possibilidade de conscientização do fazer-ambiental para além do apenas “jogue o lixo no lixo”, aliada a conscientização ficou claro que no tópico agua, por exemplo, em Brumado e região vive-se, um quadro de penúria hídrica, tendo no Rio do Antônio, na pior das hipóteses, uma ação inconsequente, ou seja, a sua destruição. Aliás, segundo o Blog do Modera, acessado em 10 de Junho, 2018, é dito que, -“Vivemos na região fisiográfica do semi-árido brasileiro, onde predominam os períodos de estiagem e os cursos d’água são em sua maioria temporários. A partir desta realidade, refletimos que é uma incoerência muito grande degradar o Rio do Antônio, o qual é útil ao abastecimento humano, às atividades econômicas, à dessedentação animal e à irrigação.


Portanto, no coletivo o Cmeas está devidamente integrado as discussões que rola no Planeta acerca da solidariedade no entorno do planeta, tendo no espaço que cerca o Cmeas a possibilidade de um re-começo coletivo. Com ações que irão além do não jogar uma simples embalagem de doces no chão, mas sim a felicidade de numa manhã, a tarde, ou a noite encontrarmos não mais todas as mudas arrancadas e jogadas no canteiro central da rua, ou alguém que não “deu a cara” no mutirão porque não estava nem um pouco feliz com a ideia do jardim. A lição aprendida desses dias tem que ser objetiva, propositiva, provocativa também. Apesar de morarmos e trabalharmos no bairro, não tínhamos feito a lição de casa direito, ou seja, na ânsia de fazer o jardim florir não demos prioridade ao envolvimento de toda a comunidade no projeto. O melhor é virar a página e começar de novo? Mas reconhecendo o senso de pertencimento da comunidade e pela iniciativa continuada do projeto “Conscientização em Foco”, é possível transformar a Escola e a vizinhança em eco-bairros...

 



Comentários

  • Joilson Bergher

    ""Foi importante orientar os alunos do Cmeas no sentido de, primeiro construir, facilitar, abstrair da possibilidade de conscientização do fazer-ambiental para além do apenas “jogue o lixo no lixo”, aliada a conscientização ficou claro que no tópico agua, por exemplo, em Brumado e região vive-se, um quadro de penúria hídrica, tendo no Rio do Antônio, na pior das hipóteses, uma ação inconsequente, ou seja, a sua destruição. Aliás, segundo o Blog do Modera, acessado em 10 de Junho, 2018, é dito que, -“Vivemos na região fisiográfica do semi-árido brasileiro, onde predominam os períodos de estiagem e os cursos d’água são em sua maioria temporários. A partir desta realidade, refletimos que é uma incoerência muito grande degradar o Rio do Antônio, o qual é útil ao abastecimento humano, às atividades econômicas, à dessedentação animal e à irrigação." Joilson Bergher"

Deixe seu comentário