ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Jornalista Daniel Simurro morre aos 58 anos em Brumado

Brumado: Há 19 dias município não registra morte por Covid-19

Guanambi: Rui entrega reforma de estrada e autoriza R$ 35 milhões em ações

Brumado: Blogueiro Daniel Simurro é internado após mal súbito em sua residência

Brumado: Sindicato dos Mineradores denuncia assédio moral em empresa de refino de talco

Brumado retoma vacinação de adolescentes com 16 e 17 anos nesta terça-feira (21)

Novas chamas atingem Chapada Diamantina entre Mucugê e Lençóis

Caetité lidera produção mineral baiana em agosto

Em carta, governadores desmentem Bolsonaro sobre alta da gasolina

Brumado: Manifestantes protestam contra Bolsonaro e prefeito Eduardo Vasconcelos em praça pública

Brumado: Após 1 ano e cinco meses, grupos de capoeira retornam com encontros em praças

Brumadenses são presos em Goiás por roubo de carga avaliada em R$ 180 mil

Brumado vacina contra a Covid nesta segunda-feira, pessoas de 12 a 17 anos com comorbidades

Bombeiros continuam em combate a incêndios na Bahia

Brumado: Mulher fica ferida após acidente entre carro e moto no bairro Santa Tereza

Vítima de câncer, morre ator Luis Gustavo aos 87 anos

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Supermercados de Brumado têm queda de 30% no faturamento com greve de caminhoneiros, dizem empresários do setor

Foto: Conteúdo l 97News

Os supermercados de Brumado estão tendo uma queda de 30% no faturamento por conta da greve dos caminhoneiros, que terminou no 10º dia nesta quarta-feira (30). A estimativa é de alguns empresários entrevistados pelo 97NEWS. Com prateleiras quase vazias, os estabelecimentos vendem menos. "Nesse momento, é irreparável porque vai demorar a oferta desses produtos para o abastecimento. Em virtude dessa escassez, o preço do produto chega a gôndola do supermercado por um preço muito maior do que nós gostaríamos", destacou Cidemar, dono de supermercado. Ele acredita que a população ainda deve enfrentar escassez de produtos nas prateleiras pelas próximas semanas. "Eu imagino que, no mínimo, nos próximos 15 dias a gente ainda vai ter um sofrimento com escassez", destaca. Para os consumidores que se veem diante da falta de produtos, o jeito é apelar para a criatividade. "Se não tem a batata, então a gente faz uma salada, cozinha um aipim, faz outra coisa. Não podemos é nos desesperar", diz a dona de casa Lena Guedes.

Foto: Conteúdo l 97NEWS

A indústria de carnes já estima uma perda de 1,3 bilhão de reais em decorrência da greve. Segundo o setor, cerca de 64 milhões de aves já foram mortas, um volume um pouco abaixo do considerado pela indústria, de mais de 70 milhões. O Brasil tinha por volta de 1 bilhão de aves antes da greve. Alguns produtores perderam seu capital de trabalho e precisarão de assistência financeira. Esse reflexo será transmitido para o consumidor final, que terá menos ofertas dos produtos, e reajuste no preço.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário