ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Covid-19: cai de 12 para 8 semanas prazo entre as doses da AstraZeneca

Presidente da Alba assume interinamente o governo da Bahia após viagem de Rui e Vice

MP-BA recomenda que Guanambi desalugue prédio da Cultura após erros em licitação

Brumado tem 100,3% da população acima de 12 anos vacinada com a primeira dose

Bahia: Menino de 11 anos cria simulador para jogos de celular com materiais recicláveis

SSP-BA recebe empresas para contratação de câmeras corporais

Psicóloga Paula Machado aborda o tema: Sabemos lidar com as perdas?

Brumado: Um ano depois, 'funileiro' termina veículo inspirado no modelo WT

Operação Nossa Senhora Aparecida: PRF apreende cerca de R$ 2,5 milhões em drogas nas estradas da Bahia

Brumado: Após bloqueio de moradores, SMTT remove pneus de via no Apertado do Morro

Bahia: No combate a violência doméstica e tráfico de drogas, Polícia deflagra ação no interior

Brumado: Presidente da Câmara é vítima de fake news e denuncia crime à Polícia Cívil

STF derruba lei que liberava venda de remédios para emagrecer

Salvador: PM apreende armamento e drogas durante evento de paredão

Durante live, Bolsonaro volta a defender 'kit covid'

Bahia: Cerca de 14 mil processos de suspensão de CNHs serão arquivados

Brumado: Sindsemb homenageia os professores com mensagem de agradecimento e valorização

STJ autoriza retorno de Maurício Barbosa ao cargo de delegado da PF

Major Leila Silva realiza visita institucional a presidente da Câmara de Brumado

Brumado: TOR apreende produtos eletrônicos sem nota fiscal na BR-030


Mesmo com a chegada de gás nas distribuidoras consumidores fazem fila para comprar botijões

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A greve dos caminhoneiros perdeu força, os bloqueios nas estradas diminuíram, mas os danos são muitos, graves e estão longe de serem resolvidos. As filas continuam em postos de gasolina e revenda de gás. Ainda escasso, o gás de cozinha é o mais disputado e, consequentemente, o mais caro dos combustíveis. Restaurantes adotaram medidas de racionamento. Até o fim da tarde de ontem, duas revendedora ainda tinham GLP no depósito. Segundo as revendedora, a empresa responsável pelo abastecimento, a Ultragás, não fez a entrega marcada para 15 de maio, antes do início da greve dos caminhoneiros. “Eles alegaram que tiveram um problema e, depois, com todo o caos, informaram que não podiam realizar porque o material está preso nas rodovias. Erraram e nós estamos sofrendo as consequências”, reclamou. Desde então, os moradores estão comendo em restaurantes ou usando panelas elétricas e microondas. “Isso faz com que tenhamos gastos altos e acarreta em uma indignação generalizada”, comentou Vilma de Almeida, dona de casa.

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Filas se formam em frente aos pontos de revenda, à espera de um botijão. Na manhã desta quarta-feira (30), outro estabelecimento recebeu o produto, mas segundo o gerente, ele vai acabar rapidamente. Para evitar brigas, distribuidoras organizaram filas para os consumidores. “Tivemos de limitar a venda de dois botijões por pessoa, porque o povo queria levar a mais para poder estocar, o que não seria justo com quem estava na fila”, contou. O aposentado José Nilton Costa, 64 anos, saiu cedo de casa, no bairro Dr. Juracy, para comprar o produto na loja da Avenida Centenário, por R$ 55. “Estou há quatro dias sem gás em casa, comi com ajuda de vizinhos, porque não tenho dinheiro para ficar comprando comida. Está tudo muito difícil”, lamentou. Apesar do comboio fornecido pela Polícia Rodoviária Estadual e pela Polícia Militar, os motoristas ainda temem pela integridade física deles e do produto, que é um material perigoso. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário