ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Jornalista Daniel Simurro morre aos 58 anos em Brumado

Brumado: Há 19 dias município não registra morte por Covid-19

Guanambi: Rui entrega reforma de estrada e autoriza R$ 35 milhões em ações

Brumado: Blogueiro Daniel Simurro é internado após mal súbito em sua residência

Brumado: Sindicato dos Mineradores denuncia assédio moral em empresa de refino de talco

Brumado retoma vacinação de adolescentes com 16 e 17 anos nesta terça-feira (21)

Novas chamas atingem Chapada Diamantina entre Mucugê e Lençóis

Caetité lidera produção mineral baiana em agosto

Em carta, governadores desmentem Bolsonaro sobre alta da gasolina

Brumado: Manifestantes protestam contra Bolsonaro e prefeito Eduardo Vasconcelos em praça pública

Brumado: Após 1 ano e cinco meses, grupos de capoeira retornam com encontros em praças

Brumadenses são presos em Goiás por roubo de carga avaliada em R$ 180 mil

Brumado vacina contra a Covid nesta segunda-feira, pessoas de 12 a 17 anos com comorbidades

Bombeiros continuam em combate a incêndios na Bahia

Brumado: Mulher fica ferida após acidente entre carro e moto no bairro Santa Tereza

Vítima de câncer, morre ator Luis Gustavo aos 87 anos

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Vacina da Pfizer não foi causa provável de morte de adolescente, diz governo de SP


Papa Francisco recebe cerca de 6.000 cartas por semana

Ele nem chega perto do Papai Noel, mas o papa Francisco recebe tanta correspondência que o pequeno escritório que cuida das cartas está lotado e fazendo hora extra. "A maioria é pedido de conforto e orações", disse o monsenhor Giuliano Gallorini, chefe do escritório, à Televisão do Vaticano. O setor recebe cerca de 30 sacos, ou cerca de 6.000 cartas por semana, o que perfaz um total anual de mais 300 mil cartas. O correio dos Estados Unidos diz receber milhões de cartas endereçadas ao Papai Noel todo ano. Gallorini e uma equipe de três mulheres, incluindo uma freira, trabalham em uma sala pequena e apertada na qual caixas de papelão etiquetadas por língua estão espalhadas no chão e nas mesas. "Elas são sinal dos tempos difíceis em que vivemos. Muitas tratam de dificuldades, sobretudo doenças. Pedem orações para doenças. Descrevem suas situações econômicas difíceis", disse Gallorini.As cartas mais urgentes e pessoais são repassadas aos dois padres-secretários particulares do papa para que ele as receba. "São aquelas um pouco mais delicadas, que têm a ver com questões de consciência", afirmou Gallorini. Cartas sobre dificuldades econômicas são enviadas às entidades católicas de caridade para que decidam como as pessoas podem ser ajudadas. O papa tuíta, mas não segue ninguém. Não tem endereço de email e gosta de receber o que um assessor veterano chamou de "a velha e boa carta". 

Reuters



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário